Inauguração tescoA abertura da nova fábrica da Tesco, empresa de componentes para automóveis subsidiária da Honda, que implicou um investimento de 10 milhões de euros e vai criar 50 novos postos de trabalho no Vale do Ave, representa, para o director-geral da multinacional japonesa, Keiki Wakabayashi, “a concretização de um sonho”. Um sonho que marca o início de “uma nova era de crescimento da empresa em Portugal”, salientou o responsável, durante a cerimónia de inauguração da nova fábrica ,que decorreu no último fim-de-semana, na zona industrial de Ribeirão, no concelho de Vila Nova de Famalicão.
Ocupando uma área coberta de sete mil metros quadrados, na zona industrial de Ribeirão, a nova unidade fabril prevê expandir-se nos próximos anos até aos 20 mil metros quadrados de área coberta, aumentando a produção e, consequentemente, o número de postos de trabalho. “O nosso objectivo é tornar a Tesco na empresa número um da Europa, em processos de fundição injectada em alumínio para a indústria automóvel”, revelou Keiki Wakabayashi.
Numa cerimónia em que a representação do Governo português coube ao vice-presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, Carlos Florindo, o presidente da Câmara Municipal de Famalicão, Armindo Costa, salientou a mais-valia que a nova empresa representa para o concelho: “Com esta nova fábrica, Famalicão dá mais um passo na diversificação industrial e aumenta a sua capacidade produtiva ao nível dos componentes para a indústria automóvel. A Tesco junta-se a outras grandes fábricas de componentes automóveis sediadas em Famalicão, como a Continental Mabor, a Têxtil Manuel Gonçalves, a Coindu, a Cabelauto, entre outras”, frisou o autarca.
A Tesco, que está presente no mercado português desde 1993, com uma fábrica na Trofa, onde emprega a 250 pessoas, tem actualmente um volume de produção de três milhões de peças, destinando-se 100 por cento à exportação para o mercado europeu, servindo várias marcas de automóveis, com destaque para a Honda, Peugeot, Renault e Volkswagen, entre outras. Para o director financeiro da empresa, Mário Ferreira, apesar do mau momento vivido pela economia internacional, os responsáveis da Tesco estão muito optimistas e confiantes no futuro da empresa. A Tesco tem “uma boa carteira de encomendas e está a apostar em novos segmentos de mercado”, adiantou o responsável acrescentando que, com a actual crise, a empresa apostou em sectores que “apresentam crescimento”. A Tesco produz diversas peças para os motores de automóveis, mas o “maior investimento está a ser feito no fabrico de peças para os compressores de ar condicionado”. “É aqui que está a nossa margem de crescimento”, explicou o director financeiro, acrescentando que, “há seis anos, só 60 por cento dos automóveis vinham equipados com ar condicionado, hoje já são cerca de 90 por cento”.
Com a nova unidade fabril, estão previstos novos projectos para fabricar peças que até agora a Tesco não tinha capacidade nem máquinas suficientes para o fazer, “o que irá permitir aumentar a sua capacidade global e consolidar os processos de fundição injectada em alumínio para a indústria automóvel”, como explicou Mário Ferreira.
O director financeiro explicou ainda as razões que levaram os responsáveis pela multinacional japonesa a apostar em Vila Nova de Famalicão, para sede da empresa: “Famalicão é um eixo estratégico do Vale do Ave, estando servido de excelentes acessibilidades, além disso, ficamos próximos da outra fábrica localizada na Trofa”, adiantou, referindo que “o facto do concelho possuir duas grandes universidades, mão-de-obra qualificada e de a Câmara Municipal ter apoiado desde a primeira hora a sua instalação no concelho foram factos que pesaram muito nesta decisão”. Também o presidente do Grupo Metts, que detém a Tesco, elogiou “o apoio e empenho da Câmara de Famalicão na celeridade do processo de implantação da empresa”.
Refira-se que a Tesco investiu numa unidade industrial da nova geração, em Famalicão, uma vez que os novos processos produtivos vão utilizar tecnologias amigas do ambiente, como o aproveitamento da água da chuva para a rega dos jardins e para uso nas casas de banho e a utilização de filtros especiais de limpeza do ar dentro das instalações e de luz natural capaz de diminuir o consumo energético.
Para o presidente da Câmara de Famalicão, “esta nova fábrica representa uma prova de confiança no mercado, uma prova de confiança na qualidade das infra-estruturas de Famalicão e uma prova de confiança na qualificação da nossa mão-de-obra”, referindo que esta unidade industrial constitui ainda “uma alavanca importante para o desenvolvimento económico e social do Município”.