quant
Fique ligado

jonati

Edição 778

“Tempos de Lavoura” – A agricultura em Alvarelhos no decorrer da Primeira Grande Guerra

Publicado

em

Portugal e a Europa estavam envolvidos num conflito que iria mudar profundamente a economia, a sociedade e também a política. Alusão para a Primeira Grande Guerra, que teve o seu princípio em 1914.
O escrutínio que irá ocorrer nesta crónica refere-se ao ano de 1918, próximo do término deste conflito.
Um país que, naquela circunstância histórica, estava a braços com uma economia agrícola, com claras dificuldades em desenvolver-se, sobretudo fazer mover as alavancas da industrialização, esperava que a agricultura fosse a sua salvação, quer financeira, como também de garante de vida para os elementos da comunidade.
Os periódicos próximos aos partidos republicanos eram puramente demagógicos, defendiam que a economia nacional era claramente autossuficiente com vários produtos agrícolas que poderiam facilitar inclusivamente a exportação.
A industrialização no futuro território trofense estava atrasada quando comparada com outros da região, nomeadamente do Vale do Ave, fazendo com que a agricultura continuasse a ter uma importância desmedida na economia.
Várias as freguesias podiam ser escolhidas para escrutinar a evolução do seu tecido agrícola, mas, por mero acaso, a escolha recaiu sobre Alvarelhos, que, ironicamente, também foi o território que acolheu as primeiras unidades industriais neste concelho.
A sua lista de produtores é bastante extensa, aproximadamente uma centena, um número importante e de valorizar se comparada com outras freguesias, demonstrando a vitalidade económica desta região.
A sociedade vivia tempos excecionais e era necessário perceber a produção nacional para tentar delinear uma estratégia de combate à possível fome que era uma realidade que se tornava cada vez mais presente no horizonte.
A produção de trigo naquela freguesia era elevada superior a 37 mil toneladas, um número considerável se comparado, possivelmente, com a atualidade, reconhecendo que não tem dados relativamente ao presente. A produção de outros cereais, nomeadamente o milho era residual, o que não deixa de surpreender por razões óbvias se comparado com a atualidade.
Os produtores de centeio eram os produtores existentes em maior número, uma outra variação relativamente ao presente, demonstrando que a história é mesmo uma caixinha por abrir.

Continuar a ler...

Edição 778

Marco Silva premiado em conceituado concurso internacional de trompete

A Trofa esteve representada naquele que é considerado o concurso mais importante a nível mundial para trompetistas.

Publicado

em

A Trofa esteve representada naquele que é considerado o concurso mais importante a nível mundial para trompetistas. O bougadense Marco Silva fez com que a participação no Concurso Internacional de Trompete Maurice André não fosse em vão e arrecadou uma menção honrosa, depois de ter sido um dos 14 semifinalistas de entre 80 candidatos de 20 países que competiram em Paris, entre 20 e 28 de novembro. Só não conseguiu chegar à final, que coroou o alemão Sebastian Berner.
Ainda assim, chamou a atenção do júri, tornando-se “o primeiro português a ser premiado e a estar presente numa competição deste nível”. “Esta menção honrosa, atribuída por unanimidade do júri, deixou-me extremamente contente”, revelou o músico em declarações ao NT, momentos antes de entrar no avião de volta a Portugal.
“Este concurso é muito conceituado, conhecido por estar rodeado de grandes artistas de renome mundial e famosos no meio trompetístico. Competir a este nível, para mim, já foi um orgulho”, acrescentou Marco Silva, que sublinhou a complexidade da competição.
“A minha participação foi preparada com muito trabalho, porque o repertório era muito específico, maioritariamente francês e bastante difícil. Estive entre candidatos de nível excecional”, atestou.
Marco Silva começou a consolidar a carreira musical em 2007, ano em que ingressou na Escola Profissional de Música ARTAVE, prosseguindo para a licenciatura, em 2013, na Escola Superior de Música de Lisboa, com Stephen Mason e David Burt. Em 2014, ingressou no mestrado em performance em Zurique, na Suiça, onde também colaborou com a Academia de Ópera de Zurique, até 2016. Nesse mesmo ano, conquistou o lugar de primeiro trompete e chefe de naipe na Orquestra Filarmónica de Konstanz, na Alemanha, com a qual colaborou até 2019.
Marco Silva colaborou com outras grandes orquestras, incluindo Zürich Opernhaus, Orchestre de La Suisse Romande, Bern Sinfonie Orchestra, Stuttgard Symphony Orchester, Orchestra of the C. Gulbenkian, Orquestra Sinfónica Portuguesa e Rigiblick Teather Zurich.
Foi distinguido em vários concursos, dos quais se destaca os primeiros prémios no Nacional “Terras de La Sallete”, em 2011 e 2012, a vitória na categoria trompete da 24.ª edição Jovens Músicos/Antena 2/RTP, em 2010, e a qualificação para a final do concurso internacional “Girolamo Fantini”, em Roma, em 2017.
Atualmente, é solista internacional e participa em vários festivais como professor e performer.

Continuar a ler...

Edição 778

Maria, figura principal do Advento

Publicado

em

Advento é uma palavra oriunda do latim e significa vinda ou chegada. Recebem este nome as quatro semanas que precedem o Natal. Este período litúrgico evoca a dupla vinda de Jesus Cristo: a que se verificou em Belém, quando Ele veio ao mundo e a que ocorrerá no Seu regresso, no chamado Juízo Final. Por isso, o tempo do Advento, para todos os cristãos, representa a preparação (espera) e expectativa do nascimento de Jesus, ou a chegada do Messias prometido.

Personagens bíblicos principais do Advento

Além dos profetas Zacarias e Jeremias, também Isaías profetizou 700 anos antes a vinda do Messias. Mas serão João Baptista e Maria que são apresentados pela Bíblia como as principais figuras do Advento; com efeito, João foi o Precursor de seu primo Jesus que nas suas pregações pediu para “preparar os caminhos do Senhor, endireitar as suas veredas” (Mc 1,1), anunciando que o Messias estava “próximo”. Maria, que foi visitada pelo mensageiro de Deus (anjo Gabriel) para anunciar que iria se a Mãe de Deus, é apresentada no tempo do Advento como a “figura da Esperança”. Foi a partir da Anunciação, segundo a Igreja Católica, através da palavra “FIAT” (Faça-se, em resposta ao Anjo), que a Virgem Maria se tornou a “esperança” da Humanidade na futura salvação, prometida por Deus aquando da “queda” (desobediência a Deus) dos “nossos primeiros pais”.

Nossa Senhora da Expectação/do Ó/do Advento/do Bom Parto/das Grávidas

“…Não temas, Maria, pois achaste graça diante de Deus: eis que conceberás no teu seio e darás à luz um filho, a Quem porás o nome de Jesus. Será grande e será chamado Filho do Altíssimo e o Senhor Deus Lhe dará o trono de seu pai David, reinará sobre a casa de Jacob eternamente e o seu reino não
terá fim” (Lc, 1, 30-33).
A devoção a Nossa Senhora do “Ó” (Expectação = Expectativa e Esperança no Messias) remonta à época do X Concílio, na cidade de Toledo, Espanha, presidido pelo arcebispo Santo Eugénio quando se estipulou que a festa da Anunciação fosse transferida para o dia 18 de dezembro. Sucedido no cargo por seu sobrinho Santo Ildefonso, este determinou, por sua vez, que essa festa se celebrasse no mesmo dia, mas com o título de “Expectação do Parto da Beatíssima Virgem Maria”. Pelo facto de, no canto das Vésperas, se proferirem as antífonas maiores, iniciadas pela exclamação “Oh”, o povo teria passado a denominar essa solenidade como Nossa Senhora do Ó. Na liturgia rezada durante esse período do Advento (que antecede o Natal) existem cânticos apropriados para exaltar tudo o que o povo de Israel esperava do Messias prometido. Não se conhece a data precisa da origem dessas antífonas, mas sabe-se que os textos foram aperfeiçoados entre os séculos VII e VIII, por monges que rezavam (ou cantavam) o Ofício Divino (atual liturgia das Horas). São as chamadas “Antífonas do Ó”, cantadas entre os dias 17 e 23 de dezembro, antes e depois da recitação do Magnificat, e possuem uma evocação e uma resposta diferentes para cada dia: Ó Sabedoria, … Ó Adonai, … Ó raiz de Jessé,… Ó Chave de David,…Ó Sol do Oriente,… Ó Rei das Nações, …Ó Emanuel,… (Todas estas antífonas foram extraídas do profeta Isaías, do A.T.)
Em Portugal, o culto à Expectação do Parto, ou a Nossa Senhora do Ó, teria começado em Torres Novas (Santa Maria, Frei Agostinho de Santuário Mariano), onde uma antiga imagem da Senhora era venerada na Capela-mor da Igreja Matriz de Santa Maria do Castelo. Esta imagem era conhecida à época de D. Afonso Henriques por Nossa Senhora de Alcáçova (ca.1187) ou a partir de 1212, quando se lhe dedicou (ou reedificou) a Igreja de Nossa Senhora do Ó. Esta imagem é descrita pelo mesmo autor como: “É esta santa imagem de pedra mas de singular perfeição. Tem de comprimento seis palmos. No avultado do ventre sagrado se reconhecem as esperanças do parto. Está com a mão esquerda sobre o peito e a direita tem-na estendida. Está cingida com uma correia preta lavrada na mesma pedra e na forma de que usam os filhos de meu padre Santo Agostinho”.
A imagem de Nossa Senhora da Expectação, do Parto ou das Grávidas representa a Virgem Maria nos últimos dias da gravidez do Menino Jesus. (Apresenta sempre a mão esquerda espalmada sobre o ventre avantajado, a mão direita pode também aparecer em simetria à outra ou levantada. Encontram-se imagens como esta segurando um livro aberto ou também uma fonte, ambos significando a “fonte da vida”)
Nossa Senhora do Ó (da Expectação, ou do Bom Parto) é padroeira de 24 freguesias (ou paróquias) portuguesas, de que se destacam as mais próximas da nossa região: Aveleda e Mire de Tibães (Braga), Águas Santas (Maia), Vilar (Vila do Conde), Estela (Póvoa de Varzim), Gulpilhares (V. N. Gaia), e Palmeira (Santo Tirso).

Um SENÃO na história desta devoção: Perseguição religiosa (?)

Nos inícios do século XIX, mudanças na devoção mariana começavam a estimular o “dogma” da Imaculada Conceição, o que não combinava com aquela imagem (santa) em estado de adiantada gravidez, como retratava a iconografia estimada pelas mulheres à espera da hora de parto. Muitas imagens foram trocadas pela da Nossa Senhora do Bom Parto, vestida de freira (?) com o ventre disfarçado pela roupa, ou mesmo pela imagem de Nossa Senhora da Imaculada Conceição, mais condizente com os “ventos moralistas” de então.
Somente no fim do século XX se voltou a falar e pesquisar o assunto, tendo-se encontrado imagens antigas enterradas sob o altar das igrejas.

Publicidade
Continuar a ler...

Edição Papel

Edição de 09 de fevereiro de 2023

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Pode ler também...

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);