A última eleição autárquica a Trofa ficou marcada, entre outros, pelo facto de apenas um presidente de junta de freguesia que se recandidatou ter sido derrotado.

Aconteceu em S. Martinho de Bougado onde, como sabemos, o candidato do PSD foi derrotado.

Na origem desse resultado estiveram um conjunto de atitudes arrogantes durante a campanha eleitoral às quais se associava um mandato dos mais pobres em trabalho realizado!

Muitos lembrar-se-ão que, nestas páginas, afirmei oferecer um chocolate a quem na toga_passe_peq.jpgaltura me soubesse apontar uma obra realizada pela Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado. Ninguém reclamou o chocolate mas o executivo daquela Junta descontente com o desafio (e sem obra para mostrar) resolveu pagar uma página de publicidade, noutro jornal, para, à falta de argumentos, me ofender.

Na altura, a situação foi denunciada à Comissão Nacional de Eleições que reconheceu a incorrecção dos métodos utilizados e condenou o comportamento do outro jornal que aceitou publicar tal anúncio a troco de meia dúzia de euros.

O povo respondeu pelo mesmo diapasão e, como se sabe, derrotou aqueles que achavam que tudo sabiam e que tudo faziam!

As últimas autárquicas ficaram ainda marcadas pela polémica em torno da TROFAGUAS.

Na altura, enquanto candidato da CDU, defendi a extinção desta empresa municipal e a integração dos seus serviços e dos seus trabalhadores na Câmara Municipal procurando garantir a transparência, a independência e o rigor que os trofenses sentiam não existir.

No inicio do actual mandato, tentando limpar a casa, o presidente da Câmara Municipal conseguiu garantir que o seu Vice ficaria a presidir àquela empresa municipal. Afastaram a CDU do órgão de fiscalização da empresa, mas garantiam que tudo seria diferente. Até escreveram que a empresa era mesmo para extinguir a médio prazo!

Mas porquê que falo disto agora que passou meio ano das eleições?

Porque o PSD não aprendeu a lição!

O PSD, apoiado na maioria absoluta que detém, mantém a arrogância nos comportamentos e insiste no uso de procedimentos aparentemente pouco correctos.

A propósito de uma foto publicada neste jornal, a TROFAGUAS recorreu a publicidade paga (com o dinheiro dos trofenses) noutro jornal para responder à situação que originou a tal fotografia!

Não estando a avaliar a veracidade dos argumentos evocados pela empresa municipal, é de todo reprovável que tenham pago (com o dinheiro dos trofenses) um anuncio noutro jornal quando, à luz da Lei, podiam responder de forma gratuita neste jornal!

É legitimo que me questione e que não me conforme com este insistir do PSD nos mesmos métodos reprováveis.

Até o Jornal da Trofa me intriga! Porque será que aquele jornal, com 45 anos de história respeitável e um património único no concelho e na defesa da independência administrativa da Trofa insiste naqueles comportamentos que sabe reprováveis? Será que é só por meia dúzia de euros?

O que a Trofa quer e precisa não é destes factos e destas polémicas!

Estas oito freguesias precisam há décadas de outros métodos de trabalho autárquico que privilegie o trabalho em detrimento do folclore.

Estes 40 mil trofenses que estão juntos pela Trofa, querem que não haja uma política de dois pesos e duas medidas e não percebem porquê que o presidente da Câmara inaugurou a Habitação Social a quinze dias das Eleições e as casas ainda não foram entregues a quem precisa. Mas também não percebem porquê que o PS apadrinhou esta inauguração!

Pois é! Esperamos, esperamos, esperamos… até um dia.

Um dia os trofenses cansam-se de esperar pelas variantes, pelo metro, pelas piscinas, pela ALET, pelo PDM, pela nova secundária na vila do Coronado, pela Esquadra da PSP e pelas outras promessas todas.

Jaime Toga