cemiterio

Cemitério de S. Martinho de Bougado foi alvo de roubo nas noites dos dias 7 e 14 de Dezembro. Assaltantes levaram suportes das lápides de cerca de 80 jazigos.

No espaço de oito dias o cemitério S. Martinho de Bougado foi visitado duas vezes pelos amigos do alheio. Os suportes das lápides, feitos em ferro, alumínio e cobre de cerca de 80 jazigos foram furtados pelos indivíduos que não vandalizaram o espaço de culto. “Não danificaram nada e pousaram as placas direitas em cima das sepulturas o que me leva a suspeitar de que o crime é bem estudado”, esclareceu José Sá, presidente da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado.

Quem já faleceu não se queixa, mas os seus familiares sentem-se revoltados por esta “falta de respeito”.

Benvinda Araújo foi uma das que viu o jazigo do seu marido ser visitado pelos larápios duas vezes numa única semana. “Eu já tinha sido assaltada a primeira vez e tinha posto na sexta-feira (11 de Dezembro) um suporte novo, tipo em cobre e chego aqui hoje (15 de Dezembro) e vejo só a pedra ao alto”, comentou desanimada com os roubos.

Foi a primeira vez que tal aconteceu a Manuel da Costa e Silva, que não sabe de que material era feito o suporte da lápide do jazigo dos seus pais, mas agora preveniu-se: “Mandei fazer um suporte em ferro”.

José Sá, indignado com as constantes visitas dos assaltantes ao espaço, garantiu que vai “pôr a autoridade em campo para descobrir quem foi”, mas já tomou outras medidas de prevenção. “Coloquei um sistema para o fecho automático do portão do cemitério”, adiantou.

Sendo os materiais furtados para venda em sucatas, o autarca lamentou o facto de que “os sucateiros aceitam estes materiais sabendo a sua origem”.