A poesia serviu para evocar a liberdade e o golpe militar que acabou com a ditadura a 25 de abril de 1974. Esta expressão literária, aliada à música, foi a forma de a concelhia do Partido Socialista da Trofa assinalar os 41 anos da efeméride. António Sousa foi o declamador convidado que, ao som da guitarra tocada pelo trofense Pedro Maia, lembrou poemas alusivos aos valores de Abril e aos sentimentos daqueles que viveram o período pré-Revolução, como este, de Fernando Pessoa: “Este senhor Salazar // É feito de sal e azar. // Se um dia chove, // A água dissolve // O sal, // E sob o céu // Fica só azar, é natural. // Oh, c’os diabos! // Parece que já choveu…”
À semelhança do ano passado, a estrutura política decidiu evocar o 25 de Abril com uma iniciativa cultural, “aproveitando valores de dentro e de fora do concelho”. “Através da liberdade de expressão, festejar a liberdade e tudo o que ganhámos com a Revolução dos Cravos, mas também lutar por uma melhor democracia, tornando-a mais transparente e fomentando a participação dos cidadãos”, afirmou Marco Ferreira, presidente da Comissão Política Concelhia do PS.
Ao contrário dos anos anteriores, a iniciativa não foi realizada na sede da concelhia, mas sim no Clube Slotcar da Trofa, no edifício da Academia Municipal, Aquaplace. “Consideramos que esta coletividade tem feito um trabalho muito interessante e através dela achamos interessante promover este convívio com o público”, continuou.
No dia anterior, foi a Juventude Socialista que esteve no terreno, com uma ação de rua que incluiu entrega de “centenas de cravos” à população nas ruas do centro da cidade, “devolvendo o espírito de Abril aos menos jovens, e mostrando junto dos mais novos a importância de honrar os que lutaram pela nossa liberdade”, afirmou Amadeu Dias, presidente da JS Trofa.

Paralelamente, realizou-se a iniciativa “Jovens de Abril – Arte de Rua”, através da qual dois jovens do concelho mostraram, através de graffiti, “existir muito talento na Trofa”. “Ao Luís Carlos e ao Jorge endereçamos um forte abraço e agradecemos a total colaboração na nossa atividade. É este talento que nos faz acreditar que devemos estar na política e tentar sempre fazer melhor. Fazer melhor é proporcionar a todos, jovens e menos jovens oportunidades de terem acesso ao emprego, de sonharem com um país melhor e mais justo para todos”, concluiu.