Em 2011, houve mais consultas e mais operações do que em 2010. Esta foi uma das conclusões do relatório anual sobre o acesso a cuidados de saúde no Serviço Nacional da Saúde, revelou, esta terça-feira, o Ministério da Saúde. 

As primeiras consultas sofreram um aumento de quatro por cento, e no total foram 5 por cento mais, dado o acréscimo das consultas de vigilância (diabetes e hipertensão) e também das consultas ao domicílio (médicas e enfermagem).

Relativamente às operações cirúrgicas, observou-se um aumento do acesso, devido ao crescimento do número de operados de cerca de 4,1 por cento face a 2010 e de 45,9 por cento face ao valor registado, em 2006, ainda que o tempo de espera tenha aumentado de três para 3,3 meses.

{fcomment}