O alvoroço provocado por dezenas de viaturas de bombeiros chamou à atenção de muitos curiosos, que viram a antiga fábrica ATMA, em Avidos, ganhar vida num simulacro que assinalou o 2º aniversário da VMER do Centro Hospitalar do Médio Ave.

 Uma violenta explosão de gás numa fábrica de produtos têxteis obrigou à intervenção de mais de uma centena de socorristas, que prestaram auxílio a 31 vítimas, três delas mortais.

Logo após a explosão deu-se uma derrocada que obrigou à intervenção do Grupo Especial de Busca e Salvamento que, com dois cães, localizou duas vítimas soterradas.

Um acidente de viação envolvendo duas viaturas ligeiras e um motociclo completaram o cenário de grande envergadura, mas que não passou de um simulacro, que serviu para assinalar o 2º aniversário da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Centro Hospitalar do Médio Ave.

A operação, que decorreu na antiga empresa têxtil ATMA, em Avidos, no concelho de Famalicão, envolveu 34 veículos, 31 dos quais meios dos bombeiros intervenientes, como Famalicão, Famalicenses, Trofa, Santo Tirso, Tirsenses, Vila das Aves e Riba d’Ave. A Cruz Vermelha de Ribeirão, a Autoridade Nacional de Protecção Civil e a Protecção Civil Municipal, a PSP, a GNR e a Polícia Municipal de Famalicão foram as restantes entidades envolvidas nesta operação, que contou ainda com a intervenção de duas viaturas médicas. A VMER chegou com um atraso de uma hora, pois foi acionada para um acidente de viação, na freguesia de Gavião, no concelho famalicense.

Apesar de fazer um balanço positivo do simulacro, Francisco Sampaio, coordenador da VMER, considera que “há alguns ajustes a fazer”.

“As comunicações são sempre um aspeto a melhorar e neste teatro de operações, elas são sempre complicadas. Este tipo de lacunas acarretam, por vezes, algumas falhas nas interligações com as equipas no terreno”, frisou.

A corporação dos Bombeiros Voluntários da Trofa participou no simulacro com duas viaturas e seis elementos. O comandante João Goulart fez um “balanço positivo” da operação. “A nossa participação pautou-se pela necessidade de colaborar com a viatura médica, constituindo também um exercício pluridisciplinar entre vários agentes, não só os bombeiros, mas também a equipa da viatura médica, numa política de cadeia de socorro continuada”.

Trofa é o segundo concelho que mais solicita a VMER

Com ação predominante nos concelhos de Famalicão, Trofa e Santo Tirso, a VMER tem respondido com eficiência a todas as solicitações. “Tem uma alta taxa de operacionalidade, que apraz revelar. Mais chamadas houvesse, mais tempo passaria na estrada”, salientou Francisco Sampaio.

O coordenador da VMER garantiu que a viatura “consegue responder a todas as solicitações” e “não é muito frequente estar num local e ser chamada para outra ocorrência”.

Em 2010 e no primeiro trimestre de 2011, a Trofa foi o segundo concelho onde a VMER teve um maior número de intervenções, a seguir a Vila Nova de Famalicão. Para João Goulart, este é “o resultado de um trabalho que vem sendo feito ao longo de dois anos na qualidade do socorro prestado pelos bombeiros e socorristas”.

O quartel de bombeiros da Trofa já foi palco de várias ações de formação do INEM o que para o comandante da corporação é sinónimo de “pluralidade”.

A primeira solicitação da VMER do Centro Hospitalar do Médio Ave foi no concelho da Trofa, a 2 de setembro de 2009, um dia depois de ter entrado em funcionamento. A viatura foi acionada para um acidente de viação, em S. Mamede do Coronado.

 

{fcomment}