1-pag

O Reverendo Padre Armindo Gomes assinalou 60 anos de sacerdócio a poucos dias de completar mais um ano de actividade. Depois de alguma renitência, o pároco aceitou a festa organizada pela Comissão Promotora presidida por Manuel Ramalho e realizada na Quinta Nossa Senhora da Alegria.

Sessenta anos de sacerdócio comemorado a poucos dias de ultrapassar este feito alcançado por poucos. Armindo da Silva Gomes foi ordenado sacerdote a 1 de Agosto de 1948 e destes quase 61 anos de actividade, mais de 46 foram vividos em prol da paróquia de Santiago de Bougado. No passado domingo, cerca de mil pessoas, de Santiago e de toda a Trofa quiseram mostrar o seu carinho pelo pároco e juntaram-se num almoço convívio na Quinta Nossa Senhora da Alegria.

Antes, ainda se celebrou uma missa solene em honra às seis décadas de sacerdócio do pároco, na Igreja Matriz de Santiago de Bougado, que se encheu para ouvir Armindo Gomes e o bispo do Porto, D. Manuel Clemente, que também se associou à festa.

Apesar da renitência do Padre Armindo Gomes quanto à realização desta comemoração o ano passado, a Comissão Promotora, presidida por Manuel Ramalho, não desistiu e conseguiu convencer o pároco a aceitar a iniciativa que no fim foi apelidada pelo mesmo como “um milagre” e “um dos maiores dias que Bougado viveu”.

hemenagem-padre-covelas

E no final a opinião era unânime: “apesar de tudo, o Padre Armindo fez muito por Santiago. E continua a fazer”.

No almoço, que contou com muitas surpresas, Armindo Gomes não conseguiu conter a emoção na última palavra do discurso: “Obrigado”. Foi, aliás, a palavra mais repetida pelo pároco neste dia dedicado a ele e a todo o trabalho que desenvolveu em prol da paróquia e dos bougadenses.

Para fazer deles homens e mulheres de verdade, uma comunidade cristã, onde a fé deve vigorar em primeiro lugar.

Ele queria poder juntar todos os amigos num só abraço em sinal de agradecimento, não o conseguiu fazer fisicamente, mas fê-lo “no pensamento”. No final, a frase por si pronunciada e a que mais tocara no coração de quem encheu o salão da Quinta foi: “nunca, mas nunca pensei que era tão querido nesta terra”.

E Armindo Gomes não seria o mesmo se não aproveitasse toda aquela iniciativa para deixar uma mensagem de estímulo. A todos pediu para amarem os filhos e os netos, empurrá-los para Cristo, fazer crescer neles a fé.

homenagem-geral-mesas

E sublinhando o facto de nunca ter recebido um não das entidades competentes para a realização de algumas obras, o pároco aproveitou ainda a ocasião e o número considerável de testemunhas para fazer mais um pedido: o arranjo do adro da Igreja Matriz, local onde ficará imortalizada a homenagem e onde figura uma estátua em sua honra.

Por entre os presentes, Armindo Gomes recebeu da Junta de Freguesia da terra onde nasceu, Covelas, uma salva de prata, e da Junta de Freguesia onde concentra todo o trabalho, Santiago de Bougado, um pote de cerâmica onde está pintada o souto da Lagoa, com a Igreja Matriz no fundo.

Mas uma das maiores homenagens foi a atribuição da medalha de ouro de mérito municipal, atribuída pelo presidente da Câmara Municipal da Trofa, Bernardino Vasconcelos que “para além de dar testemunho da amizade e respeito” que tem pelo pároco deu também o seu “testemunho do que o padre Armindo Gomes representa para a Trofa”.

Uma imagem de S. Tiago foi outra das prendas oferecidas pelo autarca, que não deixou de afirmar que o pároco tem conseguido fazer com que a comunidade cresça, assim como Santiago de Bougado.