quant
Fique ligado

Edição 439

Segurança da JMR testada em simulacro

Publicado

em

 

A empresa JMR – Gestão de Resíduos, em S. Martinho de Bougado, testou o plano de segurança interno, com um simulacro de um incêndio, na manhã desta quarta-feira, 18 de setembro.

A explosão de um quadro elétrico provocou um incêndio num armazém da empresa JMR – Gestão de Resíduos, devido aos resíduos têxteis, que são facilmente inflamáveis.

Depois de reunir todos os colaboradores no ponto de encontro, a gerente, Maria José Ribeiro, alertou os Bombeiros Voluntários da Trofa (BVT) e a Guarda Nacional Republicana (GNR) da Trofa. Quando os soldados da paz chegaram ao local, foram alertados para o desaparecimento de uma funcionária e para os ferimentos de uma outra que tinha queimaduras graves. Já a mulher desaparecida estava desmaiada no armazém, por ter inalado muito fumo.

O comandante interino dos BVT, Filipe Coutinho, contou que foram mobilizados para o local três viaturas, uma de combate a incêndios, uma de apoio com água e uma ambulância de socorro. Quanto às vítimas, a mulher que tinha queimaduras graves, “foi imobilizada no local e transportada para uma unidade hospitalar”, já a outra “recebeu oxigénio, devido às dificuldades respiratórias”, não sendo preciso ser transportada para a unidade hospitalar.

Em relação ao incêndio, “devido à indústria de transformação de papel e panos existentes havia um intenso fumo”, que dificultou o acesso aos soldados da paz. Mas, “dentro do previsível a situação correu bem”, afirmou o comandante interino.

Esta situação não passou de um exercício de simulação na empresa JMR – Gestão de Resíduos, com o intuito de “testar a organização da empresa em caso de emergência”, para saber se existe alguma “falha para corrigir”, segundo declarações de Maria José Ribeiro. “Acho que correu muito bem, os bombeiros foram rápidos na chegada ao local. Vamos ver o resultado e corrigir o que é necessário”, referiu.

Filipe Coutinho declarou que estes simulacros “normalmente correm sempre bem e são bons”, porque assim os bombeiros têm “acesso à empresa e podem conhecer as instalações” e as suas “dificuldades”. Para o comandante dos BVT, seria “muito importante” que todas as empresas desenvolvessem simulacros, pois, desta forma, os bombeiros teriam “um conhecimento mais amplo das instalações, o trabalho desenvolvido e as dificuldades que podem encontrar em situações reais”.

Publicidade
Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 439

Autárquicas 2013: entre a verdade e a mentira

Publicado

em

Por

Estamos todos convocados, para no próximo dia 29 de setembro exercemos mais uma ato de cidadania. Tem sido assim, desde que foi implantada a democracia em 1974 e tivemos as primeiras eleições livres em 1975. O dia das eleições é um dia em que o povo sai à rua para exercer o seu direito de voto e nas eleições autárquicas, talvez pela proximidade com os candidatos e com os órgãos a eleger é onde há mais participação, há menos abstenção. É a particularidade da democracia portuguesa.

As eleições que se aproximam têm por finalidade a eleição da câmara municipal, da assembleia municipal e das assembleias de freguesia, de onde sairão os presidentes das juntas de freguesia. Assim será em 308 concelhos e 3.091 freguesias e agrupamento de freguesias, provocado pela (pseudo) reforma administrativa. São as particularidades das eleições autárquicas.

Estas eleições autárquicas ficarão marcadas pela polémica Lei n.º 46/2005 de 29 de agosto, que pretendia estabelecer limites à renovação sucessiva de mandatos dos presidentes dos órgãos executivos das autarquias locais. Afinal, esta Lei não vem limitar coisa nenhuma. A limitação de mandatos não existe, embora esteja escrito no Artigo 1º da referida Lei, que «o presidente da câmara municipal e o presidente da junta de freguesia só podem ser eleitos para três mandatos consecutivos». São as particularidades da legislação portuguesa.

Os muitos milhares de candidatos que se apresentam às eleições estão integrados em variadas listas de partidos políticos, coligações de partidos políticos com movimentos políticos e também de movimentos cívicos e de cidadãos. Estes últimos são designados de independentes, mas em abono da verdade deve dizer-se que alguns são completamente “desalinhados” dos partidos políticos, mas outros são completamente “alinhados” com um ou outro partido político, que por estratégia eleitoral não dá a “cara” (leia-se símbolo), esconde-se e fica na retaguarda desses movimentos que de independentes não têm nada. É a particularidade da política portuguesa.

Há candidatos para todos os gostos; há aqueles que estão por missão cívica e há aqueles que estão por interesse individual, por questões financeiras ou até por vaidade. Nas Autárquicas 2013 também a disputa se faz entre a verdade e a mentira, entre a transparência e a opacidade, entre a política de proximidade e a “fulanização”, que pode descambar em “komenização”. É preciso recordar que muitas autarquias são geridas por eleitos que se transformaram em pequenos/grandes ditadores. É nosso dever ler muito bem as propostas que os candidatos apresentam, verificar a ausência de propostas, analisar as propostas exequíveis, mas também as irrealistas e ver o tipo de pessoas que constitui a lista. Só assim poderemos escolher os candidatos honestos, que estão para servir, rejeitando os oportunistas, os malabaristas e os aldrabões. São as particularidades de alguns candidatos a autarcas.

Um autarca deve exercer o poder político tendo por referência os valores que defende, o programa eleitoral do partido, ou movimento político em que foi eleito, assim como a sua matriz ideológica, para além da estratégia de ação para dar resposta aos problemas do quotidiano dos cidadãos e das expetativas das comunidades locais, tendo sempre em atenção a sua identidade, os seus usos e costumes e o seu bem-estar. São as particularidades que se pretendem para os eleitos.

A constante mutação nas sociedades, nas comunidades, nas economias e nas tecnologias exige que as autarquias sejam geridas com qualidade, pelos mais capacitados, mais disponíveis e mais sérios. A grandeza política do autarca também se afirma pelo respeito que ele merece dos seus adversários, e que decorre da sua capacidade de diálogo com outras correntes ideológicas e diferentes opiniões. São as particularidades da excelência na gestão autárquica.

A escolha dos melhores está nas nossas mãos, quando expressarmos a nossa vontade no boletim de voto. Atento a estas particularidades, eu vou votar!

Publicidade

José Maria Moreira da Silva

moreira.da.silva@sapo.pt

www.moreiradasilva.pt

Continuar a ler...

Edição 439

Entrevista a José Ferreira, candidato do PS à União de Freguesias do Coronado

Publicado

em

Por

José-Ferreira---união-do-Coronado

“Estaremos orientados para a área Social e a para a melhoria do serviço público”

Pelo Partido Socialista candidata-se à União de Freguesias do Coronado José Ferreira, que tem como prioridades o apoio na área social e a “melhoria do serviço público prestado pela Junta de Freguesia”.

O Notícias da Trofa (NT): O que o leva a candidatar-se à União de Freguesias do Coronado?

José Ferreira (JF): Pelo facto de ser o meu primeiro mandato como Presidente de Junta e por ter encarado este desafio com todo o meu empenho e dedicação em prol da freguesia de São Mamede do Coronado. Consegui que os Mamedenses sintam mais orgulho na sua terra, falem dela com mais entusiasmo e que a vejam até como uma referência em diversas áreas, mas muito ficou ainda por fazer.

Com a agregação das freguesias – São Romão e São Mamede – é colocado a todos os candidatos um desafio ainda maior, que me atrai. De facto, é uma nova freguesia que nasce e, ainda que isso constitua uma oportunidade de desenvolvimento, é também um projeto que exige um outro tipo de trabalho e, pessoalmente, gostaria muito de poder estar associado a esta transformação histórica.

 

NT: Quais sãos os projetos que vai apresentar para o mandato?

Publicidade

JF: São muitas as necessidades das Freguesias do Coronado. São situações que, fruto da gestão e das ‘prioridades’ dos anteriores executivos, não foram bem resolvidas. O trabalho de uma Junta de Freguesia é um trabalho dinâmico pelo que é difícil estabelecer uma prioridade específica. Sei bem que, a todo o momento, as prioridades se alteram e que o que havia sido planeado tem de ser reformulado de forma a atendermos às necessidades concretas das pessoas da freguesia.

Dito isto, os nossos objetivos são muito realistas e adaptados à realidade atual. No entanto continuaremos a requalificação do Cemitério de São Mamede; a melhorar a rede viária; a pavimentar as ruas em terra batida e a construir o Parque da Vila, na Quinta de São Romão.

 

NT: Qual o projeto/área prioritário(a) caso seja eleito?

JF: Estaremos orientados, sem dúvida para a área Social e a para a melhoria do serviço público prestado pela Junta de Freguesia à população.

 

NT: Considera importante que a Câmara e a Junta de Freguesia sejam governadas pelo mesmo partido político? Porquê?

Publicidade

JF: Sem dúvida que sim, pois dessa forma há uma sintonia de entendimento no que respeita ao estabelecimento de prioridades e investimentos.

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também