Vim constatar uma obra absolutamente extraordinária e que engrandece a Trofa”. Foi desta forma que José Artur Neves, secretário de Estado da Proteção Civil se referiu à reabilitação do quartel dos Bombeiros Voluntários da Trofa, inaugurada no sábado, 17 de março.

O quartel dos Bombeiros Voluntários da Trofa está de cara lavada. Graças ao Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR), cuja primeira fase está a terminar, foi possível proceder-se a melhoramentos de infraestruturas da Associação Humanitária.
O secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, apadrinhou a inauguração desta beneficiação, que custou “mais de 300 mil euros”, em grande parte suportados pela Administração Central, e com comparticipação de 15 por cento da autarquia e fundos próprios da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Trofa (AHBVT). Os números foram avançados por Manuel Dias, presidente da associação, que fez saber que o orçamento inicial de 250 mil acabou por se revelar insuficiente. “Por arrastamento, apareceram outras coisas para fazer”, frisou.
José Artur Neves esteve várias horas no quartel e mostrou-se surpreendido com o património material da Associação Humanitária. “Vim constatar uma obra absolutamente extraordinária e que engrandece a Trofa”, afiançou o governante, que considerou a intervenção da Associação Humanitária “absolutamente notável” pela “sua dimensão e pelos serviços que presta”.
A empreitada visou o melhoramento das condições da cave, com colocação de pavimento, pintura e integração de sistema de som, para acolher eventos da associação e de outras coletividades. A oficina também foi intervencionada e o parque auto ficou isolado de outras zonas de estar dos elementos da corporação, a fim de evitar a propagação dos gases e fuga de calor.
Foi ainda melhorado o balneário feminino e colocado um elevador para permitir o acesso de pessoas com mobilidade reduzida ao salão nobre. O telhado do edifício perdeu a cobertura de fibrocimento e foi totalmente remodelado, ganhando ainda painéis solares, para aproveitamento energético.
“Vamos tentar manter o quartel sempre em condições, com manutenções periódicas e, se possível, melhorar aqui ou ali”, vaticinou Manuel Dias.
O secretário de Estado teve oportunidade de visitar todas as instalações da Associação Humanitária e conhecer os projetos culturais como a biblioteca e a Universidade Sénior.

Obras feitas, ambições novas

Manuel Dias não perde tempo e já começa a operação de charme junto das entidades públicas para aquele que é o novo projeto da Associação. “Junto à entrada do quartel, pretendemos construir um pavilhão que sirva de museu para as viaturas mais antigas e emblemáticas e de parque-auto para as ambulâncias de transporte de doentes”, anunciou o presidente da AHBVT, que aguarda para saber se “a Câmara também pode ajudar” para calendarizar a obra.