Santo Tirso esteve em destaque na I Trienal de Arquitectura de Lisboa. Na leitura dos organizadores e do público que a visitou esta Mostra, foi um sucesso e confirma que esta é uma iniciativa com futuro. O modelo expositivo contava com quatro pólos temáticos, sendo o pólo II, em exposição na Cordoaria Nacional, dedicado às Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto no século XXI. O Município de Santo Tirso decidiu participar com um espaço próprio.

Os quatro projectos escolhidos pelo município são exemplos de diferentes modos de intervenção na cidade escolhendo os "vazios" urbanos para os transformar para novos usos. Estes projectos são de iniciativa municipal, um deles em parceria com uma empresa privada (Habitação a custos controlados em Friães) e demonstram a vontade da autarquia em apostar em projectos arquitectónicos de qualidade, como modo de valorizar o território e elevar os padrões urbanísticos e culturais. camara-sts-vista-aerea.gif

A defesa da arquitectura é reconhecida pela Constituição Portuguesa (artigo 66º) e a promoção da qualidade arquitectónica através de políticas exemplares de construções públicas e do conhecimento e promoção da arquitectura e da concepção urbanística, são práticas consignadas Conselho Europeu. É nesta perspectiva que o município se posiciona, percebendo que mais importante do que investir em grandes e dispendiosas obras arquitectónicas mediáticas, é transformar por dentro os hábitos culturais, construindo espaços nobres para as pessoas e qualificando as cidades.

Desta postura são exemplos a obra de Reabilitação do Cine-teatro de Santo Tirso, o Complexo Desportivo Municipal ou a Requalificação e Renaturalização da Frente de Rio. Aqui a arquitectura e a qualidade dos projectos está posta ao serviço da população, reconstruindo memórias, no caso do Cine-teatro, fazendo nova cidade no caso do Complexo Desportivo ou integrando o verde no espaço urbano, atribuindo-lhe funções urbanas. O Projecto de Habitação a Custos Controlados situa-se numa área periférica, com todas as carências e desvantagens que caracterizam estas zonas. Por isso o projecto impõe-se com uma imagem forte e em diálogo com a envolvente, construindo novos espaços direccionados para a utilização colectiva, incentivando novas práticas de cidadania.

Quem visitou a Trienal ficou sem dúvida bem impressionado com a qualidade dos projectos apresentados e com a vontade pública de os executar. Santo Tirso destacou-se pela sobriedade e a coesão arquitectónica e urbanística.

Como define o PNPOT ( Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território)

" A compreensão da arquitectura e do urbanismo reforça o sentido cívico e deverá constituir um elemento imprescindível da cultura territorial do país", neste sentido a representação de Santo Tirso foi um grande passo.