Num ambiente descontraído e bastante animado, cerca de 150 sacerdotes pertencentes às selecções europeias que estão a participar no Torneio de Futsal Champions Clerum, visitaram, nesta quinta-feira, a Casa-Museu de Camilo Castelo Branco, em Vila Nova de Famalicão. Aproveitando a pausa na competição para conhecer uma das figuras maiores da literatura portuguesa, os sacerdotes, munidos de máquinas fotográficas, registaram todos os cantos da casa onde viveu o romancista, questionando os técnicos do município – que acompanharam a visita – sobre os acontecimentos da vida e obra do escritor.


“Era um romântico, que tinha problemas com as mulheres”, resumia, assim, um dos sacerdotes da selecção polaca à saída da Casa-Museu, questionando se a obra “Amor de Perdição” estava traduzida para inglês. A resposta positiva deixou-o bastante satisfeito. De facto, a obra “Amor de Perdição” foi traduzido para diversas línguas, entre as quais o espanhol, o inglês, o francês, o alemão, o italiano o norueguês e o mandarim.
E enquanto uns visitavam o interior da casa-museu, outros aproveitavam para usufruir da surpreendente paisagem “bucólica e inspiradora” que rodeia o espaço camiliano de S. Miguel de Seide. O presidente da Câmara Municipal de Famalicão, Armindo Costa, que assumiu o papel de anfitrião, apresentou Camilo Castelo Branco, falou da sua obra e da qualidade da casa-museu, que é gerida pelo município. “A conquista do prémio de Melhor Museu Português, atribuído em 2006 pela Associação Portuguesa de Museologia e a nomeação para Prémio de Melhor Museu Português”, foram alguns dos factores apontados pelo autarca para comprovar a qualidade da Casa-Museu.
Mas Armindo Costa aproveitou também a oportunidade para dar a conhecer o concelho, nomeadamente a nível cultural e patrimonial. “Terra de gente empreendedora, Famalicão é um cruzamento de culturas a descobrir”, afirmou o presidente da Câmara Municipal. “Para além da literatura de Camilo Castelo Branco, temos um centro de investigação da I República Portuguesa, no Museu Bernardino Machado. Temos as artes plásticas do Surrealismo português. Temos as memórias dos caminhos ferroviários e da indústria têxtil. E para acompanhar esta “ementa” de valores culturais, temos também os sabores da melhor gastronomia da região”, sublinhou Armindo Costa.
O autarca aproveitou ainda para elogiar o Torneio de Futsal Champions Clerum, cuja final decorre nesta quinta-feira em Famalicão, salientando que é “um evento que merece o nosso aplauso, tendo em conta, tudo aquilo que envolve: um convívio saudável e animado entre sacerdotes oriundos de diversos pontos de Europa”. E acrescentou: “Ao promoverem o desporto, alicerçado nos valores da amizade e fair-play, vocês estão a dar o vosso testemunho, à população, mas principalmente aos jovens, daquilo que deveria ser realmente a base dos desportos colectivos”.
Por sua vez, o porta-voz da selecção portuguesa, padre Marco Gil, agradeceu a “calorosa recepção dos famalicenses ao torneio”. “A presença do presidente da Câmara Municipal nesta sessão veio dar ainda mais dignidade à competição”, afirmou, elogiando “a disponibilidade e o empenho demonstrados pelo município desde do início das conversações”.
Natural de Vila Nova de Famalicão, mas actualmente pároco nas comunidades de Friande, Monsul, São João de Rei e Geraz do Minho, no concelho da Póvoa do Lanhoso, Marco Gil disse ainda “sentir grande orgulho em ser famalicense”.
No final, Armindo Costa ofereceu uma lembrança a todos os jogadores das dez selecções, nomeadamente uma garrafa de vinho verde da região e algumas obras literárias sobre o concelho de Vila Nova de Famalicão. Por sua vez, os jogadores da selecção nacional presentearam Armindo Costa com uma camisola autografada por todos os jogadores.