rotary.jpg

 

 

 

 

 

José Manuel Fernandes recebeu das mãos do presidente do Rotary Clube da Trofa Francisco Gouveia um

 Paul Harris e um Diploma de Reconhecimento Profissional, perante o olhar atento de dezenas de rotários e convidados

José Manuel Fernandes, presidente do Conselho de Administração da Frezite foi homenageado pelo Rotary Clube da Trofa com a mais alta distinção do clube tendo em conta o seu perfil empresarial e a forma como se destacou à frente os destinos do seu grupo de empresas.

O homenageado mostrou-se emocionado e “muito grato ao Rotary pela atitude que teve em nos qualificar tão honrosa distinção. Eu penso que, provavelmente poderá haver outros cidadãos que possam ter mais do que esta distinção. Contudo para mim significa algo que acarreta alguma responsabilidade e ao mesmo tempo não deixo a oportunidade de poder partilhar com todos os que estão aqui à nossa volta este convívio e o que é que representa isto para nós”.

Como empresário Manuel Fernandes salientou a importância que a indústria da Trofa tem para o PIB nacional “a Trofa é um concelho em que se deve apostar a nível empreendedor, até porque somos o 10º concelho que mais contribui para o PIB nacional. É um concelho empreendedor, não temos as infra-estruturas, os meios que gostaríamos, mas percebemos que as organizações estão preocupadas com isso, o presidente do Rotary citou a preocupação de uma escola profissional, que vai ser incentivada. Isso é óptimo que o futuro precisa de cidadãos bem preparados, a par de uma educação bem orientada depois que dão frutos a seu tempo. O nosso concelho tem um potencial muito grande, até porque encontro aqui muitos empresários que precisam de ser ajudados, empresários que começam e que, precisam de uma estrutura envolvente da área empresarial que necessitam de ser ajudados. O empresário em si é um homem de risco, porque tem de saber de gestão financeira, estratégica, de produção e de marketing e isso é uma das carências que o nosso concelho necessita”.

O presidente da Frezite ressalvou ainda a necessidade de a Trofa aproveitar a sua localização privilegiado e estratégico no norte do país, em relação a certas plataformas logísticas, concretamente a auto-estrada A3, outras auto-estradas, o aeroporto, o porto de Leixões, tem uma posição super privilegiada e de facto tem as suas próprias empresas dispersas. Nós desejamos que a área de localização empresarial venha resolver todos estes problemas”.

Já Francisco Gouveia elogiou o trabalho desenvolvido por Manuel Fernandes quer a nível empresarial quer a nível do mundo Associativo salientando que “a Trofa precisa de empresários empreendedores e que sejam um exemplo a seguir. A escolha não foi fácil mas dada a importância e relevância que o homenageado tem vindo a assumir a nível nacional e a nível europeu”.