Rotary Clube da Trofa entregou valor alcançado com o peditório realizado na Trofa a favor da Liga Portuguesa Contra o Cancro.

14.938,34 euros. Este foi o valor entregue à Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC) pelo Rotary Clube da Trofa, durante a habitual reunião, realizada na noite de segunda-feira.

Vítor Veloso, dirigente da LPCC, ficou satisfeito com o peditório deste ano, cujo resultado até foi superior ao anterior: “O exemplo rotário na Trofa é extraordinário, pois neste tempo difícil conseguiu ultrapassar valores anteriores”. “É um momento muito importante e comovedor, em que consideramos que toda a população, consubstanciada no peditório feito pelo Rotary Clube da Trofa, reconhece o papel que a Liga tem tido em relação ao doente oncológico”, atestou.

A LPCC vive “unicamente” de peditórios e o âmbito das actividades é “cada vez mais amplo e envolvente”. Nesse sentido, a Liga quer “descobrir quem são os novos pobres, que cada vez são em maior número. Ainda não descobrimos como, mas queremos dar-lhes algum apoio”, sublinhou Vítor Veloso.

“Somos meros intermediários e a LPCC merece tudo aquilo que nós podemos dar, pois faz um trabalho notável”, garantiu António Charro, presidente do Rotary Clube da Trofa, que, juntamente com a rotária Helena Maia, responsável pela coordenação do peditório, entregou o cheque simbólico à LPCC.

O Rotary contribui “pedindo aos outros aquilo que é para ajudar alguém”. António Charro frisou a importância do “serviço da população”: “Nós não medimos quem dá mais ou quem dá menos, até porque há pessoas que têm muito pouco e dão muito”. “Os trofenses são enormes. É uma comunidade muito solidária e, por isso, envolve-se nestas causas e gosta, de facto, de ajudar. O Rotary consegue fazer este serviço porque tem uma comunidade como a da Trofa”, elogiou o presidente do clube.

Para além dos rotários trofenses, a reunião contou com a presença de elementos de outros clubes da região, do Rotaract Clube da Trofa e de representantes de associações e instituições trofenses.