Ensinar crianças e adultos como actuar perante uma situação de paragem cardio-respiratória foi o principal objectivo do workshop de saúde sobre suporte básico de vida, realizado no passado sábado, nas instalações da ASAS da Trofa. Na iniciativa, promovida pelo Rotaract Club da Trofa, participaram 17 adultos e 8 crianças, que tiveram a possibilidade de manusear e executar os conceitos aprendidos num boneco didáctico.

Inserido nas actividades da área da saúde, uma das três fundamentais da acção do Rotaract, o workshop de suporte básico de vida visou transmitir simples conhecimentos e procedimentos que levem as pessoas a actuar perante uma situação de paragem cardio-respiratória, como verificar se a vítima está inconsciente, se respira e se tem sinais de circulação.

Sob orientação do monitor Luís Medeiros, do Serviço de Assistência e Socorro da Força Aérea Portuguesa, os principais conteúdos transmitidos no workshop foram os relacionados com o Suporte Básico de Vida, como o Algoritmo Básico de Vida, as Compressões e Insuflações, a Posição Lateral de Segurança – PLS e a desobstrução da via aérea.

No processo de aprendizagem, os participantes tiveram a possibilidade de manusear e executar os conceitos aprendidos num boneco didáctico. “Importante foi também a presença de algumas crianças, que puderam assistir à parte prática do workshop com o intuito de se familiarizarem com os procedimentos e para que os possam encarar com naturalidade, tanto mais que muitas das vítimas são também crianças”, sublinhou Luís Filipe Moreira, presidente do Rotaract Club da Trofa.

O presidente fez um balanço “extremamente positivo das “duas horas e meia de divulgação de conhecimentos e procedimentos que, se bem aplicados, podem salvar vidas”. “A taxa de participação neste evento foi muito boa, conseguimos reunir em torno destas matérias 25 pessoas, entre adultos e crianças”, considerou.

“Foi um gosto visitar a Trofa e agradeço muito o convite que me foi endereçado pelo Rotaract Club da Trofa”, afirmou o monitor Luís Medeiros, acrescentando que “o SBV é uma área que aprecia particularmente, tanto mais que é fundamental na área na qual exerce a sua actividade profissional”.

“Estes conteúdos são fundamentais, é importante haver quem queira aprender e clubes que os pretendam divulgar”, sublinhou.