Cerca de 500 escuteiros da Patrulha Corvo e do Núcleo do Corpo Nacional de Escutas de Famalicão espalharam a alegria escutista pela Vila de Ribeirão, sob o imaginário da conhecida série Abelha Maia.

Com os objetivos de dar ““um forte impulso”” ao novo agrupamento de Ribeirão e passarem uma boa tarde de convívio, a Patrulha Corvo e o Corpo Nacional de Escutas de Famalicão (CNE) promoveram a iniciativa Dia da Patrulha, durante o dia 10 de março, sábado, que juntou cerca de 500 escuteiros.

Após a abertura oficial, pelas 9.30 horas, os Lobitos seguiram para o Centro Social, onde aproveitaram o magnífico espaço exterior para desenvolver as atividades programadas. Além disso, puderam ainda visualizar o filme da Abelha Maia, um desenho animado que passou na televisão, quando grande parte dos chefes tinham a idade dos ““Lobitos””.

Os “”Exploradores”” e os “”Pioneiros”” percorreram alguns quilómetros por trilhos ao longo do Rio Veirão e subiram até ao Moinho de Vento, na Aldeia Nova. Ao longo do caminho tinham postos, onde desenvolviam atividades.

Já os “”Caminheiros”” estiveram, durante a manhã, a prestar serviço à comunidade, convivendo e auxiliando os idosos do Lar de Santa Ana. Experiência, que segundo os participantes, foi ““enriquecedora e emotiva””, marcando quem lá esteve. Na parte de tarde os ““Caminheiros”” dedicaram-se à tarefa de construir um totem (uma espécie de estátua) da Abelha Maia, para deixar, em Ribeirão, a marca da atividade escutista da Patrulha Corvo.

A iniciativa terminou com a eucaristia, precedida de um grande desfile desde a Capela de Santa Ana, que simbolicamente funcionou como a Colmeia da Abelha Maia. Durante a eucaristia, animada pelo Agrupamento de Calendário, os escuteiros levaram no ofertório os favos construídos durante as atividades. No final, os Agrupamentos ofereceram presentes ao Agrupamento de Ribeirão, em formação, que marcarão para sempre a história do seu início.

O Chefe do Núcleo e o Chefe Regional congratularam “a “vida escutista”” que ali se respira, incentivando os escuteiros a ““continuarem a viver e a testemunhar a sua alegria de ser escuteiro católico e a participarem ativamente na vida do movimento””. Manuel Joaquim, pároco de Ribeirão e Assistente do novo Agrupamento, agradeceu a todos a presença, que serviu de motivação acrescida para o trabalho de arranque do escutismo em Ribeirão. Os agrupamentos de Fradelos, Vilarinho das Cambas, Lousado, Esmeriz, Cabeçudos, Lagoa, Antas, Requião, Calendário, Santo Adrião -– Famalicão, Brufe e Ribeirão estiveram representados nesta atividade.

{fcomment}