Select Page

RESULTADOS DAS ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS

 

 

 

Recados dos eleitores

 

 

É ainda muito cedo para uma análise séria e desapaixonada aos resultados das eleições autárquicas ocorridas neste último domingo.

 

Nestas ocasiões há muitas leituras de conveniência e é muito possível que apareçam leituras desencontradas do resultado daquilo que foi o exercício da soberania do povo.

Sem cuidar agora do rigor dos números, interessa avaliar alguns aspectos qualitativos da vontade soberana dos nossos conterrâneos.

E, desde logo, a primeira conclusão a retirar é que o PSD perdeu votos para todas as outras forças políticas. Todos os Partidos, à excepção do PPM, aumentaram o n.º de mandatos: O PS ganhou uma Junta de Freguesia, um vereador e dois membros da Assembleia Municipal; O CDS ganhou uma Junta de Freguesia e um membro da Assembleia Municipal e a CDU ganhou um membro da Assembleia Municipal.

De registar que todos estes ganhos se verificaram em prejuízo do PSD que perdeu duas Juntas de Freguesia (uma para o PS e outra para o CDS), um vereador (para o PS) e quatro membros da Assembleia Municipal (dois para o PS, um para o CDS e um para a CDU).

Significativamente, o PSD teve uma baixa considerável de votos na principal freguesia do concelho.

Sem desconsideração pelas outras freguesias, que merecem todo o reconhecimento e respeito, S. Martinho de Bougado é a freguesia central da cidade (não confundir com centro geométrico), onde vivem cerca de 30% dos nossos conterrâneos e é a sede natural do concelho, sem prejuízo de concordar que se deve desenvolver uma política de coesão concelhia que só nos beneficiará a prazo.

E aqui a Câmara errou. Tratou mal a principal freguesia. Sou insuspeito porque manifestei, em devido tempo, nas páginas deste jornal, a discriminação com que esta freguesia estava a ser tratada. Estava a ser castigada por se ter desenvolvido um pouco mais.

A Câmara andou desorientada sem saber que havia uma sede natural do concelho e que merece ser respeitada. Se não corrigir essa trajectória, pode acreditar que os eleitores acentuarão o seu voto de protesto e provocarão a alternância do poder.

Houve outros erros que os eleitores se lembraram na hora de votar, como a política de taxas, tarifas e impostos no nosso concelho e a contestação à Trofáguas.

O desgaste sofrido pelo partido do poder tornou-se visível.

Todos estes factores, além de muitos outros, que não é possível analisar nesta coluna, motivaram uma queda significativa da votação da maioria no poder.

Não quero, com estes comentários escamotear a vitória, aliás clara, que o PSD teve nestas eleições. Venceu com maioria absoluta para a Câmara, a maioria das Juntas de Freguesia e teve uma maioria relativa para a Assembleia Municipal que se transforma em maioria absoluta com as presenças dos presidentes das Juntas de Freguesia.

O Partido Socialista foi, naturalmente, o partido mais beneficiado com a queda do PSD. Ganhou a principal Junta de Freguesia do concelho, um vereador e dois membros da Assembleia Municipal.

Ficou a sensação de que poderia ter ganho as eleições e, se não aconteceu agora, poderá acontecer nas próximas. O PSD não é imbatível e o efeito da queda considerável na principal freguesia, poderá alastrar a todo o concelho ou à maioria das freguesias.

A esse efeito, há acrescentar o desgaste que continuará a sofrer, sobretudo se continuar com certas indefinições e hesitações, como a dos Paços do Concelho e a aprovação do PDM.

A nível nacional, não encontro razões para euforia do PSD: tem menos una Câmara do que em 2001, embora o PS tenha perdido quatro.

O PS conquistou 13 Câmaras ao PSD, tantas quantas o PSD conquistou ao PS.

O PS conquistou uma capital de distrito ao PSD (Faro) enquanto o PSD conquistou outra ao PS (Aveiro).

No distrito do Porto, o PSD perdeu uma Câmara e o PS manteve o mesmo n.º de 2001.

Nesta contabilidade de perdas e ganhos, quem ficou a ganhar foi a CDU que aumentou em quatro as presidências de Câmara, tanto quanto os Independentes que também conquistaram quatro Câmara Municipais.

Uma análise mais objectiva, talvez mais tarde.

 

Afonso Paixão

Videos

Loading...

Siga-nos

1ª página da edição papel

Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma experiência mais personalizada. Ao navegar está a permitir a sua utilização