A Junta de Freguesia de Bougado foi a última a receber a visita do executivo camarário, numa sessão de Presidência Aberta, que decorreu no dia 14 de maio.

A freguesia de Bougado recebeu a última Presidência Aberta da primeira ronda de visitas de trabalho que o executivo da Câmara Municipal da Trofa está a desenvolver pelas freguesias do concelho. A visita começou no polo 1 da Junta de Freguesia de Bougado, em S. Martinho, tendo passado pelas obras de requalificação dos Parques Nossa Senhora das Dores e Dr. Lima Carneiro, Rotunda dos Ex-Combatentes e pela Escola Básica e Jardim de Infância do Paranho. Durante a sessão foram analisados assuntos como o Cruzamento junto ao Tanque de Valdeirigo e dos Assadores/Bebedouro na Urbanização da Barca, assim como a avaliação da obra na Rua Abade Inácio Pimentel.

O presidente da Junta de Freguesia de Bougado, Luís Paulo, asseverou que “todos os dias” a população “pede coisas e com razão”. No caso dos buracos nas estradas, os funcionários da Junta começaram, nesse dia, “a substituir o paralelo por alcatrão”. Contudo, tem a noção que isto apenas vai “minimizar o problema durante algum tempo”, pois no “próximo inverno” haverá “novos buraquinhos”. “A solução, principalmente para a Estrada Nacional 104 entre o Catulo e Ervosa, é a nova pavimentação de toda a estrada”, apontou, referindo que existe “uma colaboração mútua entre a Junta e a Câmara Municipal, que tentam fazer aquelas pequenas obras que são pedidas todos os dias”.

Já Sérgio Humberto, edil da Câmara Municipal, enumerou “um conjunto de obras que estão no terreno”, como na Rua Abade Inácio Pimentel, onde, em frente às Galerias Araújo, Abel Silva vai ceder “parte do terreno” para a ampliação do passeio, que terá “um custo que não é tão pouco quanto isso”.

Relativamente ao mau estado das vias, Sérgio Humberto referiu que a autarquia “não tem dinheiro para requalificar as Estradas Nacionais 14, 104 e 318”, tendo “a consciência de que foi um erro desclassificá-las”, ou seja, passar a chancela das Estradas de Portugal para o município. Apesar de já ter tido “um conjunto de reuniões com a Secretaria de Estado dos Transportes” para “denunciar este contrato e devolver as estradas para as Estradas de Portugal”, o edil trofense denotou que este é “um processo moroso” e que esta empresa pública tem “muitas dificuldades em fazer obra”.

Como em tempo de chuva “o betão betuminoso não era solução”, Sérgio Humberto concorda que a colocação de paralelos nos buracos foi “bem encontrada” e que “não são para ficar eternamente”. “Agora os paralelos vão ser substituídos por alcatrão, um trabalho que está a ser feito pela Junta de Freguesia. No futuro, temos de pensar em repavimentar as estradas por partes, tentando sempre colmatar as piores áreas de uma forma mais definitiva”, mencionou, dando como exemplo os casos da EN318 e na EN104, “entre a rotunda da Saner até à saída de Ervosa”.

Para isso, a Câmara Municipal vai “aproveitar uma obra da Indaqua” para fazer “a repavimentação desse troço de estrada”.

Para minimizar o trânsito na ponte sobre o Rio Ave, Sérgio Humberto avançou que a autarquia vai “intervir naquela área de forma provisória, colocando uma linha contínua”, para obrigar os condutores que circulem de Ribeirão e que queiram virar para a faixa de rodagem em direção ao Hospital da Trofa a contornar a rotunda dos Bombeiros. Outra das alternativas apresentada é a criação de “uma faixa central”, para os condutores que queiram seguir em direção ao Hospital da Trofa pararem enquanto esperam para mudar de faixa.