Para não deixar o Rancho Folclórico da Trofa cair num vazio diretivo, Fernando Jesus decidiu apresentar lista, que foi aprovada “pela maioria”.

Fernando Jesus tinha 26 anos quando conheceu a associação que ia mudar a sua vida para sempre. A oportunidade surgiu através de uma sobrinha, que o convidou a fazer parte do Rancho Folclórico da Trofa, numa altura em que muitos componentes abandonaram o grupo. Inicialmente, não conhecia nem sequer “ligava” àquele tipo de cultura. No entanto, experimentou e por lá ficou.

O Rancho ajudou-o a ultrapassar a extrema timidez que o caracterizava e, mais do que isso, ganhou um lugar insubstituível no coração. Por isso mesmo, decidiu candidatar-se a presidente este mês, depois de ver que a última direção não se recandidatava e que muitos componentes, descrentes quanto ao futuro da associação, entregaram as roupas.

“Vim para casa triste, porque eu sou do tempo de se fazer obra e aquele fim anunciado magoou-me”, afirmou em entrevista ao NT, agora como presidente da coletividade.

Incentivado por componentes do Rancho, Fernando Jesus aceitou fazer “o sacrifício” e apresentar uma lista que, na última assembleia, foi “aprovada pela maioria”.

Esta não é uma experiência nova, já que, “há alguns anos”, ainda no tempo da governação de Santo Tirso, Fernando Jesus assumiu a liderança do grupo quando houve um vazio diretivo e, posteriormente, foi presidente. “Fui eu que assinei o terreno para a sede, fiz o lançamento da primeira pedra e acompanhei a obra de pedreiro”, contou.

A estadia de Fernando Jesus no grupo foi interrompida por algum tempo, quando bateu com a porta, por “não gostar” do trabalho da direção, e foi “apanhado” pelo Grupo de Danças e Cantares de Santiago de Bougado, onde também foi presidente.

Mas o tempo acabou por ditar o seu regresso à casa que o viu nascer para o folclore, onde agora quer “mantê-la como tem estado”. “Eu gosto muito dos outros grupos do concelho, mas o Rancho Folclórico é sempre o Rancho Folclórico, pela sua história. Se possível, quero melhorar alguns aspetos e manter a sede, que está a precisar de uns arranjos, principalmente em pintura”, frisou.

Fernando Jesus sabe que “pelos tempos que decorrem não vai ser fácil” manter o barco longe das tormentas e, “no passado, havia boas empresas na Trofa e todas ajudavam, hoje não é bem assim”.

Uma das razões que fez Fernando Jesus aceitar formar a direção foi a garantia de apoio de Manuel da Costa e Alcino Paixão, a quem agradece. “Sem eles, não era possível eu tornar a encabeçar. Assim, quando eu não puder, eles vão às portas de quem nos tem ajudado e espero que continuem para não deixar acabar uma das associações mais antigas do concelho”, evidenciou.

Os primeiros passos da direção serão “distribuir alguns cargos no grupo”, preparar os ensaios para “dar as boas festas” em dezembro, atividade que “é a fonte de rendimento que assegura a época”, e assegurar os fundos disponíveis para o tradicional magusto para todos os componentes e sócios”. Depois, segue-se “a preparação do festival”.

A nova direção do Rancho Folclórico é composta por Fernando Jesus (presidente), André Fernandes (vice-presidente), Helena Macedo (tesoureira), Renato Araújo (secretário) e Filipe Toga (vogal).