As expectativas foram ultrapassadas com a organização do 1.º raid fotográfico “Redescobrir a Trofa”. Trinta fotógrafos participaram na iniciativa e, face ao sucesso, o Clube Slotcar da Trofa já pensa na próxima edição. Fotografias vão compor exposição, que será inaugurada a 17 de março, dia de aniversário do clube.
De máquina em punho e prontos a disparar a qualquer momento. Paisagens, edifícios ou simples pormenores não escaparam a estes curiosos que eternizaram um momento para mais tarde recordar. Num concelho ainda pouco explorado do ponto de vista turístico, o Clube Slotcar atreveu-se a organizar um raid fotográfico, intitulado “Redescobrir a Trofa”, para homenagear as maravilhas deste território. O resultado foi 30 fotógrafos amadores e profissionais à solta, ávidos de fazer arte… e história.
Rio Ave, parques da cidade, ponte onde outrora o comboio passou, miradouros e tesouros arqueológicos e arquitetónicos não escaparam às objetivas, durante todo o dia de sábado, 27 de fevereiro.
André Maia tem 16 anos, é de Alvarelhos e estuda na área da fotografia. Para o jovem, o raid foi um teste “às capacidades” e permitiu “abrir horizontes”. “Gostei muito de fotografar no Monte de S. Gens, porque é perto da minha localidade, e também no Parque das Azenhas, porque é um local com muito potencial se for utilizado corretamente”, contou o jovem, que confessou a preferência pelo registo fotográfico a elementos ligados à Natureza. “
Também Pedro Galvão, de S. Romão do Coronado, encantou-se com o Parque das Azenhas, obra que ainda desconhecia. “A zona do rio é muito bonita e tem muitos elementos que se pode fotografar com qualidade”, considerou.
Mas não foi só no Monte de S. Gens e no Parque das Azenhas que os “cliques” se fizeram ouvir. O Castro de Alvarelhos, a ponte da Peça Má, o Parque Nossa Senhora das Dores e Dr. Lima Carneiro, o Souto da Lagoa e o Jardim Escultura de Alberto Carneiro foram as outras cinco das “sete maravilhas da Trofa” escolhidas pelo Clube Slotcar.
No raid, cada fotógrafo fez uma abordagem diferente dos cenários. André Maia privilegiou a Natureza; Pedro Galvão preferiu registar “detalhes” e destacar “elementos diferenciadores”. Como foram 30 os que deram asas à criatividade, pode-se esperar um conjunto de imagens que contam, ao pormenor, a história dos locais fotografados.

“Balanço positivo”
Mesmo sem experiência, o Clube Slotcar decidiu organizar este evento para valorizar o património paisagístico e cultural do concelho. “É uma excelente forma de promover a Trofa. Ficamos mais enriquecidos, conhecendo a nossa realidade e temos possibilidade de mostrar aos outros”, explicou João Pedro Costa, presidente do clube.
O dirigente afirmou que o “feedback” dos participantes foi “muito bom” e contou que “alguns ficaram admirados com certos espaços que não conheciam”. “E, agora, com a ajuda deles, vamos conseguir fazer chegar esse conhecimento, através das fotografias, a outras pessoas”, continuou.
Perante o sucesso da iniciativa, está garantida a realização de uma nova edição, “no próximo verão”. Mas antes, o clube equaciona organizar um concurso para que, “além do convívio, os fotógrafos participem com alguma competição”.
André Maia não tem dúvidas: “Se houver um novo raid, de certeza que serei o primeiro a inscrever-me”.