Sócio nº 1 foi ao Algarve

Há mais de 50 anos ligado ao clube, onde já integrou a direcção, na época de 1965/66, Manuel Crispim falou de momentos marcantes, um deles a subida de divisão, quando o clube ainda jogava nos regionais, mas não deixou de frisar a subida à Bwin Liga, elogiando a direcção liderada por Rui Silva.

 

 Com 76 anos, Manuel Crispim nunca pensou ver o Trofense na principal liga de futebol. "É indescritível o sentimento que vivi depois do jogo com o Gondomar". O sócio número um do emblema que se sagrou campeão da Liga Vitalis esta temporada viveu de perto todas as emoções da subida e do título: "estive no estádio no jogo com o Gondomar e também fui para o Algarve apoiar a equipa". Há mais de 50 anos ligado ao clube, de onde já integrou a direcção, na época de 1965/66, Manuel Crispim falou de momentos marcantes, um deles a subida de divisão, quando o clube ainda jogava nos regionais, mas não deixou de frisar a subida à Bwin Liga, elogiando a direcção liderada por Rui Silva. "Os responsáveis têm cumprido muito bem os objectivos e foi uma completa surpresa ver o meu clube na primeira liga. Ainda receei que o meu coração não aguentasse tanta emoção", referiu.

Outro dos momentos que ficará marcado, para sempre, na vida de Manuel Crispim foi a polémica com o Varzim, da qual guarda recordações menos boas, devido à descida do clube: "hoje há o Apito Dourado, mas naquela altura também já existia", sublinhou. Crispim lembra-se, igualmente, da "falta de respeito" de alguns militares da GNR. "Eles atiraram gás lacrimogéneo para dentro da sala onde estava a decorrer a votação e não tiveram piedade de algumas mulheres que estavam grávidas", recordou. Nesse dia ele foi um dos sócios que votou "sim" relativamente à comparência do Trofense no jogo com o Varzim, mas a decisão acabou por ser a contrária. "Era a vontade da maioria e havia que aceitar".

Questionado sobre qual o seu jogador preferido, Crispim não hesitou: "para mim o melhor foi o Cerejo. Jogador com uma garra inigualável". Já o melhor jogador que actualmente veste a camisola vermelha e azul, o sócio enunciou Reguila.

Quanto ao futuro, Manuel Crispim acredita numa boa campanha do clube. "Não creio que seja um bilhete de ida e volta como muitos afirmam. Considero e tenho fortes convicções que a equipa vai fazer um bom campeonato na primeira".

Apesar de não ter tido nenhum filho "craque da bola", Crispim tem agora uma nova esperança, o seu neto. "Está nas camadas jovens do Trofense e tem muito jeito para o futebol. Oxalá que tenha um futuro brilhante como futebolista", afirmou.

Cátia Veloso