Manuel Pizarro, Secretário de Estado da Saúde, visitou a unidade de Santo Tirso do Centro Hospitalar do Médio Ave (CHMA) para elogiar o trabalho que tem sido desenvolvido e garantir que “ainda este ano” vai arrancar o concurso público para a edificação do novo internamento de medicina.

 “O enorme esforço que tem sido feito no Centro Hospitalar do Médio Ave para melhorar as condições de atendimento aos cidadãos” foi reconhecido na sexta-feira pelo Secretário de Estado da Saúde, Manuel Pizarro, que visitou a unidade de Santo Tirso.

O trabalho desenvolvido no espaço que continua a sofrer alterações, fruto do plano director da unidade de Santo Tirso, “orgulha” o membro do Governo. “A capacidade de resposta às pessoas em matéria de consultas externas, urgência hospitalar e atendimento nos hospitais de dia, melhorou espectacularmente nos últimos anos”, adiantou.

Mas Manuel Pizarro não visitou apenas a unidade para congratular o trabalho que tem sido desenvolvido. O Secretário de Estado, depois de uma longa reunião com a administração do Hospital e com o presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, Castro Fernandes, garantiu que “ainda este ano” vai arrancar o concurso público para ser iniciada “a obra que falta na unidade de Santo Tirso”: “É uma obra, com cerca de quatro mil metros quadrados de área útil que vai permitir instalar o novo internamento de medicina da unidade de Santo Tirso, uma unidade de convalescença integrada na rede de cuidados continuados, o novo espaço das consultas externas”.

Esta nova valência completará assim, o plano director que a administração estabeleceu para a unidade de saúde. Assim, as consultas externas vão funcionar provisoriamente na anterior área da urgência hospitalar e no espaço das consultas externas nascerá o novo internamento de medicina da unidade. Mais tarde, o serviço de consultas externas “passará para a estrutura que nesta altura alberga o internamento de medicina”, adiantou José Maria Dias, presidente do Conselho de Administração do CHMA.

“É um edifício que terá uma unidade de Cuidados Continuados com 30 camas, terá a acompanhar um serviço de Medicina Física e de Reabilitação que é necessário e vamos ter também um internamento de medicina de 50 camas e o Hospital de Dia de Oncologia do Centro Hospitalar”, explicou.

Para o administrador, esta visita do Secretário de Estado veio apenas confirmar o avanço da obra “que vai custar cerca de 5,5 milhões de euros”. “É a obra mais importante, de longe, desta unidade do Centro Hospitalar e naturalmente que ficamos muito felizes pela confirmação de podermos avançar com os trabalhos”, afirmou.

É essencial” investir na área da saúde

Para o Secretário de Estado, Manuel Pizarro “é essencial” investir na saúde em época de crise. Isto porque “as pessoas hoje vivem num quotidiano com maiores dificuldades” e esta poderá ser “a altura em que mais esperam a capacidade de resposta do Estado”. “É por isso que o Governo está tão empenhado em dar, aqui em concreto nesta zona, um sinal do seu empenho em melhorar a resposta social”, afirmou.

Quanto aos cortes orçamentais na área da saúde, Manuel Pizarro foi peremptório: “Em cada serviço e em cada unidade vamos avaliar quais são hoje os custos que estão a ser suportados que poderão ser reduzidos ou abolidos, sem perda da qualidade dos serviços prestados aos cidadãos”.