Abertura do Parque das Azenhas e baixa da tarifa da água são sinais de “eleitoralismo”, acusou o Partido Socialista da Trofa, em comunicado.

“Existiu uma gestão eleitoralista da obra do Parque das Azenhas, para que o término da obra coincidisse em ano eleitoral”. É desta forma que o Partido Socialista da Trofa dá como “confirmada” a denúncia que fez a 11 de fevereiro quando, numa conferência de imprensa – e face ao atraso da conclusão da obra – colocava como possível cenário o “interesse do presidente da Câmara de fazer uma reinauguração em 2017”.

Leia a notícia completa na edição 619 do NT, nas bancas até 26 de abril.