A primeira prova do campeonato nacional de drift estava marcada para este fim de semana, em Guilhabreu, Vila do Conde, mas acabou suspensa pelo organizador, Clube Automóvel do Minho (CAM).

Em comunicado, o CAM explicou que foi “surpreendido” pela presença da Guarda Nacional Republicana “em número e meios de intervenção desajustados face à realidade do campeonato nacional, que está devidamente autorizado pela Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting”.

A GNR esteve no local devido à alegada ausência de licenciamento do circuito de Guilhabreu. O CAM refere, no mesmo comunicado, que foi “informado pelo detentor do espaço” que este “reunia as condições necessárias para a prova se poder realizar, à semelhança da edição do ano anterior, que decorreu sem qualquer tipo de incidentes”.

“Toda a documentação desportiva solicitada ao Clube Automóvel do Minho pelos agentes da autoridade foi entregue e estava em conformidade. Ao invés, esses mesmos agentes não mostraram qualquer documento que comprovasse e suportasse uma intervenção de tal natureza, ainda que tenha sido solicitada pelo nosso advogado no local”, acrescentou ainda o organizador da prova que garantiu, “em conjunto com o seu departamento jurídico, tomar as medidas que ache necessárias para melhor defender os interesses do drift e de todos os seus intervenientes”.