1º Grande Prémio Cidade da Trofa marcou prova da Taça de Portugal de cadetes e prova regional de juniores. Organização esteve a cargo da Associação Cultural Desportiva de Ciclismo da Trofa.

Alexandre Rodrigues é da Trofa e pela primeira vez estava na terra natal para disputar uma prova de ciclismo com o clube que representa, o Centro Ciclista de Avidos. O atleta do escalão de cadetes foi um dos 56 atletas que participaram na 2ª prova da Taça de Portugal da zona Norte, que se realizou na tarde de sábado, pelo concelho. Para quem não estava dentro do assunto, Alexandre explicou o que esperavam os ciclistas ao longo dos 61 quilómetros de prova: “Logo aos oito quilómetros há um prémio de montanha muito duro, bons para os trepadores. Para mim, que sou sprinter, vai ser um pouco complicado, porque a subida é longa e tem muito paralelo, mas em contrapartida temos grandes descidas e retas, que deve dar para me colocar bem no pelotão”.

O atleta trofense acabou por não conseguir completar a corrida, ao passo que João Costa, do Centro Ciclista de Barcelos, arrebatou a concorrência no sprint para a meta. Em dia de aniversário, o jovem ciclista confessou que “nunca pensava vencer assim” e mostrou-se “feliz” por conseguir o primeiro triunfo neste escalão. João Costa terminou o percurso em 1h39m38s, numa média de 36 quilómetros por hora, superiorizando-se aos três atletas que seguiam com ele na fuga. “As subidas em paralelo foram muito difíceis”, sublinhou, revelando que o segredo para o triunfo surgiu da conjugação de “sorte” e “trabalho”. O pódio ficou completo com Fábio Silva (CC Avidos/Metalização/A.Lemos) e João Rocha (Silva & Vinha ADRAP/Sentir Penafiel), respetivamente. A camisola da montanha foi para Iúri Leitão (Tensai Santa Marta) e a das metas volantes para Fábio Silva. Por equipas, o triunfo sorriu à Silva & Vinha ADRAP.

Paralelamente, realizou-se um circuito de juniores que se realizou junto à nova estação de comboios. A prova, que contou para o campeonato regional da Associação de Ciclismo do Porto e consistia em 15 voltas, foi vencida por Hugo Nunes, da equipa Silva & Vinha ADRAP, que terminou com cinco segundos de vantagem para o pelotão. O 2º classificado foi Álvaro Ferreira, do CC Avidos, e o 3º Filipe Rocha, da Liberty Seguros/Feira/KTM.

Nova associação de ciclismo na Trofa
Esta prova, que foi adiada duas vezes, foi organizada pela recém-criada Associação Cultural Desportiva de Ciclismo (ACDC) da Trofa, em conjunto com a Associação de Ciclismo do Porto e Federação Portuguesa de Ciclismo. José Ribeiro é o vice-presidente da ACDC e explicou que “foi uma corrida mais dura”, porque “as estradas em paralelo não são as mais apropriadas, mas correu tudo bem”.

A associação nasceu depois de a secção de ciclismo não ter vingado no Atlético Clube Bougadense e ainda não teve atletas em prova, mas a aparição está para breve, garantiram os responsáveis. O presidente, José Martins, adiantou que “estão 12 atletas inscritos”, que irão representar a coletividade “já no próximo mês, numa prova de BTT de resistência”. “Estamos preparados para fazer com que a associação seja desenvolvida a nível nacional. Vamos surpreender muita gente com aquilo que vamos fazer”, salientou. José Martins revelou ainda que, antes de a época terminar, em agosto, a ACDC “vai fazer uma meia maratona, em conjunto com a Câmara e as juntas de freguesia”, que “têm ajudado muito”, frisou.

Delmino Pereira, presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo, esteve presente na prova e revelou que a Trofa “tem todas as condições para organizar uma prova da Taça de Portugal para a categoria de cadetes”. “Este é um estímulo para que o ciclismo se desenvolva mais nesta região e uma forma de inspirar a juventude para praticar a modalidade”, acrescentou.

Já o trofense Abílio Cardoso, comissário da prova, salientou que esta prova “merece alguma consideração e respeito”, porque “se avalia os melhores do Norte, que depois vão competir com os melhores do Sul para se apurar o campeão”.

O executivo municipal prefere apoiar provas que envolvam camadas jovens do que canalizar fundos para a Volta a Portugal, que este ano não passa pelo concelho. “A história diz-nos que a Trofa tem raízes profundas no ciclismo e é bom termos este tipo de provas, nomeadamente nos escalões de formação. É por aí que se tem que começar e dar apoio a esta associação que tem esse objetivo de incrementar o desporto nos mais jovens”, afiançou o presidente, Sérgio Humberto.