Clube Slotcar da Trofa organizou 8.ª edição das 24 Horas de Slotcar, nos dias 12 e 13 de julho. Enquanto anfitriões ficaram no 3.º posto, a equipa GT Team, de Braga, levou o prémio mais apetecido, pela terceira vez consecutiva.

A 8.ª edição das 24 Horas de Slotcar foi uma das maiores que o Clube Slotcar da Trofa organizou. O salão polivalente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Trofa foi um verdadeiro quartel-general dos amantes das corridas de carros em miniatura. Vinte equipas – sete delas espanholas – marcaram presença na iniciativa que é cada vez mais respeitada a nível internacional. André Coroa, da direção do Clube, refere que o interesse dos espanhóis é uma “consequência” e “demonstra a qualidade do evento e o reconhecimento pela organização”.

“O evento tem ganho uma dimensão muito interessante. Algumas equipas tiveram que ficar de fora, porque não havia condições logísticas para aumentar o número de inscritos”, sublinhou.

Do ponto de vista competitivo, o “caneco” foi para os pilotos bracarenses da GT Team que, num duelo muito emotivo com a equipa espanhola Cric Crac, conseguiram tomar o 1.º lugar nos últimos momentos da prova.

José Marques foi o corredor da GT Team responsável pela reviravolta na competição, ao passar para a frente da classificação e dar o terceiro título consecutivo aos bracarenses. A frescura dos jogadores mais novos da GT Team foi, segundo o piloto, a diferença que ditou o triunfo. “Conseguimos aguentar mais e, no final da prova, mantivemos o mesmo ritmo do início, enquanto eles não”, explicou. Na receita para o sucesso também estão o “intenso treino”, a “dedicação” e o “esforço” da equipa. “Esta é a terceira vitória nesta prova. Temos evoluído muito e até marcamos presença numa prova em Barcelona para melhorarmos a nossa performance”, evidenciou.

Já o Clube Slotcar da Trofa acabou no 3.º posto. Segundo Filipe Cruz, a explicação para o clube perder posições está nas contrariedades que aconteceram com as “inundações” que, ao destruírem a pista de treino, “diminuiu” a capacidade do grupo “de poder competir ao mesmo nível”, salientou.

Mesmo assim, os jogadores da Trofa fazem uma avaliação “bastante positiva” da prestação, considerando o 3º lugar “um resultado bastante honroso”, que prova que a equipa “continua ao nível das melhores equipas nacionais e internacionais”.

Filipe Cruz evidenciou ainda a evolução das equipas de slotcar em Portugal, graças ao aparecimento da prova da chancela do Clube Slotcar da Trofa. “Esta competição que, infelizmente, só existe na Trofa, faz com que outros clubes tenham vontade de participar e evoluir. Cada vez se vê mais competitividade, por isso o nosso clube é o responsável pela evolução da modalidade a nível nacional”, sublinhou.

O salão polivalente da Associação Humanitária foi palco da competição pela quarta vez. Segundo o presidente demissionário da direção, Pedro Ortiga, “faz parte do ADN da associação estar com o movimento associativo”. “Temos o maior espaço para este tipo de eventos, obviamente estamos sempre disponíveis para colaborar, no sentido de divulgar o nome da Trofa ao país e ao mundo”, sublinhou.

A autarquia da Trofa também foi parceira na promoção deste evento. O vereador do Desporto, Renato Pinto Ribeiro, explicou o envolvimento da Câmara com a capacidade que a iniciativa tem de “projetar” o concelho. “Sempre que alguma associação pretender organizar seja o que for no sentido de promover a Trofa além-fronteiras estamos sempre recetivos a ser parceiros”, salientou.