O empresário José Manuel Fernandes foi um dos nove escolhidos pelo primeiro-ministro, António Costa, para monitorizar a “bazuca” europeia. A aposta na industrialização do país e dissipação das desigualdades sociais, nomeadamente em termos de habitação, são algumas das apostas do governo para aplicar os fundos do Plano de Recuperação e Resiliência.

O renomado empresário que, em 1978, fundou a Frezite, uma multinacional portuguesa com empresas em várias localizações no Globo, como Alemanha, República Checa, Polónia, Reino Unido, Espanha, Brasil, Finlândia e México, afirma estar “honrado com o convite” que lhe foi dirigido “pessoalmente” pelo primeiro-ministro. José Manuel Fernandes garante que este é o momento de “aproveitar esta oportunidade que é única de criar instrumentos para desenvolver a coesão social, porque um dos componentes da ‘bazuca’ é a construção de habitação para melhorar efetivamente as condições de habitabilidade para famílias que estão extremamente carentes, e para alavancar setores importantes como a indústria”.
O empresário realçou o facto de, com a pandemia, ter ficado “a nu” as fragilidades da economia, muito assente e dependente do turismo. “Iniciamos o ano de 2020 de uma forma exagerada, entusiasmados com o turismo que foi a área que mais quebrou com a pandemia. Os bloqueamentos de mobilidade das pessoas entre países e dentro do nosso país e os confinamentos vieram mostrar que se Portugal tivesse uma economia estruturada de outra forma, assente na indústria ao serviço do conhecimento, era capaz de responder de uma forma mais equilibrada. A restauração também quebrou de uma forma vertiginosa de forma que estamos hoje numa situação em que o governo apercebeu-se destes défices e a ‘bazuca’ vem nesse sentido de potenciar o desenvolvimento da nossa economia em algumas áreas”.
A variante à Nacional 14 foi tema incontornável para José Manuel Fernandes, que relembrou que “o primeiro-ministro António Costa e o presidente da Infraestruturas de Portugal tomaram consciência da importância vital para a economia da região e do país desta acessibilidade”, cujo investimento está incluído no Plano de Recuperação e Resiliência, assim como “outras obras de acesso, por exemplo às áreas empresariais em Santo Tirso”, concluiu.

Perfil de José Manuel Fernandes

Nasceu em 1945, em Lisboa, e é licenciado em Engenharia Mecânica, e bacharel em Eletrotecnia e Máquinas pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e Instituto Industrial do Porto.
Sócio-fundador do grupo empresarial Frezite, em 1978, com sede na Trofa e com empresas em vários países, exercendo atualmente funções de chairman.
Antes da atividade empresarial, exerceu atividade como diretor industrial e administrador em várias empresas.
No espaço associativo, é membro do Conselho Geral da Associação Empresarial de Portugal, Presidente da assembleia-geral da AIMMAP (Associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins de Portugal) e foi, até 2020, presidente da direção da AEBA e membro do Conselho da Indústria da CIP – Confederação Empresarial de Portugal.
Presidiu ainda à Comissão de Fiscalização da privatização dos Estaleiros de Viana do Castelo, a convite do Governo, e como professor convidado tem participado em vários eventos na abertura de cursos de MBA, em diversas universidades e escolas de Gestão, em temas sobre a internacionalização da Economia.
Conferencista em vários eventos em Portugal e no estrangeiro, assim como articulista em vários órgãos de comunicação, subordinados aos temas da produtividade, competitividade e internacionalização. Publicou, em pleno período da Troika, o livro “Caminhos do Exportador em Estratégias de Internacionalização”, em 2.ª edição.