A Galeria Itinerante do Espaço t da Trofa acolhe até ao dia 7 de dezembro, a Exposição Individual de Pintura e Gravura de Céu Costa, denominada Pretérito Imperfeito. 

“Há quem diga, investigadores e científicos, que o Tempo não existe. // Não há passado nem futuro. Tudo é presente e está acontecendo continuamente. // O Tempo sucede infinitamente definindo um lugar, a memória, o conhecimento e o esquecimento. // A história. A Vida. // O passado não existe, porque é imperfeito. O presente é sempre um recomeço, um caminho que se percorre a partir de algo que ficou imperfeito. Há que continuar. Repetição. Tempo. Repetição. Tempo. // Imperfeito. Continuar. // Se o Tempo não existe, para que o queremos nós? // Isto pode ser incompreensível. // Penso que o Cosmos que conhecemos existiu sempre e sempre existirá. E é Infinito. // Há quem diga que o Tempo e o Infinito não são nada. São apenas conceitos necessários para tornar inteligível o mundo em que vivemos. // De outro modo não o compreenderíamos. // Será assim?”.

Estas foram palavras que inspiraram a artista Céu Costa na sua Exposição Individual de Pintura e Gravura, denominada Pretérito Imperfeito. A exposição foi inaugurada na sexta-feira, dia 19 de outubro, na Galeria Itinerante do Espaço t da Trofa, onde ficará patente até ao dia 7 de dezembro. Uma obra que pode visitar de segunda a sexta-feira, das 10 às 18 horas, nas lojas número 246/248 da Rua Infante D. Henrique. 

Céu Costa, natural de Barreiro, vive no Porto desde 1970. A artista fez a sua formação em Pintura e Gravura na Cooperativa Artística Árvore, Porto, com Estágio na Academia de Belas Artes em Liège, Bélgica, entre 1990 e 1994. Em 2000, recebeu a Aquisição Banco de Portugal e, em 2008, o Prémio Cidade de Évora. Além de já ter exposto em vários pontos do País, Céu Costa já esteve com exposições em Itália, Japão, França e Espanha.

{fcomment}