Olga Marques inaugurou no dia 13 de outubro, a exposição Presépios em Barro, na sala de exposições temporárias da Casa da Cultura da Trofa, que estará patente até ao dia 10 de novembro. 

Ao som do violino e de versos poéticos, a ceramista e escultora Olga Marques inaugurou a obra “Presépios em Barro”,onde as pessoas puderam ver as diversas peças de barro, ligadas ao tema da família. 

A escultora, natural de Vila Nova de Famalicão, trouxe até à Trofa a sua maior paixão, os presépios, que retratam os diferentes momentos da natalidade. “Uma exposição diferente com presépios completamente diferentes, que acho que vale a pena ver”, afirmou a artista. 

Para Olga Marques “é muito difícil” avançar com o tempo que demora a fazer cada peça, pois, na sua construção, cada uma passa por “várias fases”. Depois de idealizar o desenho, a artista pegou nas “diferentes cores de barro” e misturou-o, fazendo assim as várias peças sem o uso de “qualquer tipo de pintura”. Depois de o corpo ter “uma certa consistência”, a ceramista começa a “vesti-los” e no final, depois da secagem, vai ao forno durante, “mais ao menos, um dia e meio”.

É desta forma que do barro nascem naturalmente as diversas obras de arte que estão expostas na Casa da Cultura da Trofa, até ao dia 10 de novembro, podendo visitar de segundafeira a sábado, entre as 10 e as 18 horas. Olga Marques tem ainda uma loja nos Carvalhais, Santo Tirso, onde tem à venda os diversos trabalhos que faz, desde peças decorativas à “parte figurativa”. Em representação do pelouro da cultura, a cargo de Assis Serra Neves, esteve José Magalhães Moreira, vice-presidente da Câmara Municipal da Trofa, que afirmou que esta foi “mais uma tarde excelente e de cultura”, onde se puderam visualizar obras que representam o Natal nas “diferentes cambiantes”, que fazem recordar o que para si é “o momento supremo da Humanidade”.

“Estão muito bonitas, há aqui arte mesmo. Com expressão de sentimentos nas imagens que sinceramente nunca tinha visto. Muitas vezes as representações do presépio parecem-nos com as figuras inexpressivas, aqui não. É de facto um pico de cultura que está aqui presente”, frisou, lamentando a pouca adesão da comunidade. No final, o vice-presidente da Câmara Municipal deixou um convite à comunidade, para que apareça na Casa da Cultura e visite esta exposição que “vale a pena ver”.

Esta foi mais uma iniciativa da autarquia trofense, através do pelouro da Cultura, que proporcionou “um momento muito importante de promoção de cultura e de artistas” do concelho da Trofa e de concelhos limítrofes. A ceramista foi premiada, por diversas vezes, nomeadamente num concurso nos Estados Unidos e tem dois dos seus presépios expostos num museu em Salvador da Baía, Brasil. Já recebeu o 3º prémio Nacional de Artesanato, de Artesanato Criativo da Delegação Regional, foi contemplada com uma menção honrosa, Prémio Nacional de Artesanato Tradicional, Especial Cerâmica, venceu o 1º prémio num concurso promovido pela autarquia famalicense, com a Peça Camilo Castelo Branco, participou ainda na Feira Internacional de Lisboa, onde ganhou o 1º prémio da Feira de Artesanato, com a peça Ceia de Cristo. 

Em 2000 recebeu o 2º prémio num concurso de presépios nos Estados Unidos da América.  

{fcomment}