Com a realização do Rali Casinos do Algarve, no dia 18 de novembro, caiu o pano sobre o Campeonato de Portugal de Ralis. Ricardo Teodósio surpreendeu ao triunfar no rali algarvio, enquanto o trofense Jorge Carvalho ficou a um pequeno passo de juntar mais um título ao seu palmarés.

Num rali marcado pela fraca lista de inscritos – apenas 11 pilotos do CPR marcaram presença -, valeu os pilotos da Taça de Portugal e do Regional Sul para compor o leque de participantes da prova do Clube Automóvel do Algarve.

Se os inscritos eram poucos, que dizer do público, que praticamente não marcou presença nas classificativas. Praticamente a correr em casa, Ricardo Teodósio beneficiou do facto de conhecer os troços como ninguém e, aliado a uma condução simplesmente fabulosa, venceu sem grande oposição a prova apesar de correr com antiquado, mas muito bem preparado Mitsubishi Lancer Evo 4. Além disso, ainda triunfou na Taça de Portugal e venceu entre os pilotos que disputam o Regional Sul de Ralis. Pedro Meireles (Mitsubishi Lancer Evo 10) aproveitou muito bem a ausência do campeão Ricardo Moura e de Vítor Lopes para garantir a vitória entre os concorrentes do CPR ao terminar em 2º da geral.

Ivo Nogueira (Citroen DS3 R3) dominou toda a prova no CPR2, mas um furo na última especial levou-o a perder muito tempo e entregar a João Silva (Renault Clio R3) a vitória no CPR2 e o lugar mais baixo do pódio.

Mas foi na Taça de Portugal que as emoções cresceram, com muita disputa e alguma polémica à mistura. Com Teodósio confortavelmente instalado no 1º lugar da Taça de Portugal, restava à dupla Renato Pita/Jorge Carvalho, que seguiam em 2º da Taça, esperar que Júlio Bastos (BMW M3), o mais direto perseguidor pela conquista do cetro na Taça de Portugal, pontuasse o menos possível. Só que após algumas manobras menos corretas por parte de Júlio Bastos (devido a uma polémica que já vem do Rali de Mortágua), e da desistência de alguns pilotos, Bastos trepou até ao 4º lugar entre os pilotos que disputam a Taça.

Com este resultado, Júlio Bastos conquistou a Taça de Portugal por apenas nove pontos, relegando para 2º lugar do campeonato Renato Pita e o trofense Jorge Carvalho.

Terminada a época de ralis, destaque para o elevado número de ralis a serem cancelados por falta de verbas, listas de inscritos paupérrimas, divergências entre os clubes organizadores e a federação, enfim, sinais evidentes da crise que varre o país.

 

Miguel Mascarenhas

Marco Monteiro

{fcomment}