EP aprovou esta quarta-feira novo concurso para conclusão das obras na ponte

Parada desde Novembro de 2006, a obra da Ponte da Vigenta, na EN 104, vai finalmente reiniciar. A deputada Joana Lima entregou um requerimento na Assembleia da República, no qual questiona a equipa de Mário Lino sobre a situação das obras e para quando a conclusão da empreitada e esta quarta-feira o conselho de Administração da EP decidiu avançar com o lançamento de novo concurso

 Não se chama Ponte de S.Torcato mas muitos já a apelidaram de obra de Santa Engrácia. A empresa Estradas de Portugal aprovou esta quarta-feira nova adjudicação para a conclusão das obras na Ponte da Vigenta, na estrada nacional 104, que liga Trofa a Vila do Conde. A decisão saiu da reunião do conselho de Administração da Empresa que decorreu em Lisboa e segundo o NT conseguiu apurar junto de fonte da empresa, o desbloqueamento do processo surge na sequência no requerimento apresentado a 17 de Julho pela deputada trofense Joana Lima.

A deputada socialista eleita pelo Círculo Eleitoral do Porto apresentou um requerimento através do qual questionava o Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações sobre a situação dos trabalhos relativos à Ponta da Vigenta, sobre o Rio Trofa, na Estrada Nacional 104, em Santiago de Bougado, no concelho da Trofa.

A socialista referiu o facto da empreitada "para reparação e alargamento ter sido iniciada em 2006, havendo previsão da sua conclusão nesse mesmo ano". Como "desde Julho/Agosto desse ano, que a obra se encontra aparentemente parada, com os trabalhos por concluir" Joana Lima questionou o Ministério das "razões para esta situação", assim como "qual a situação dos trabalhos relativos à execução das obras na referida ponte, que se encontram apenas provisoriamente executados" e "em que condições e para quando se prevê a conclusão definitiva da obra".

Recorde-se que, depois da empresa a quem foi adjudicada a obra, a ASR- António Simões e Filhos Lda, com sede em Penacova, ter decretado falência, ainda antes da conclusão da obra foi a Estradas de Portugal que tomou posse administrativa da Ponte da Vigenta.

A obra está parada desde Novembro de 2006 e foi reaberta à circulação, na altura em que foi concluída a repavimentação daquele troço da EN 104, depois de vários meses encerrada.

Para a conclusão da obra faltam ainda as guardas de segurança, as marcas rodoviárias e as passagens hidráulicas, inferiores e agrícolas.

Aquando a tomada de posse administrativa a Estradas de Portugal previa que seriam ainda gastos cerca de 55 mil euros e que haveria um empreiteiro escolhido pela EP para acabar, com a maior brevidade possível esta obra.