Comunistas denunciam poluição em Guidões

 

 

 

 

 

Uma delegação do PCP composta pelos deputados Honório Novo, Agostinho Lopes e pelos eleitos da CDU na Trofa deslocou-se à freguesia de Guidões, no concelho da Trofa, para denunciar a existência de descargas poluentes de uma central de betonagem.

A Câmara Municipal já esteve no local e vai agora notificar a empresa, que garante ter-se tratado de um acidente.

Segundo os comunistas a empresa possuiu um tanque de reserva de óleos e betumes que transbordou e faz correr estas substâncias "pelo monte abaixo", infiltrando-se nos terrenos e contaminando os cursos de água.

O alerta foi dado por Manuel Costa, residente em Guidões, que foi “dar uma volta pelo monte e apercebeu-se daquela situação. Alertei no inicio do mês a Junta de Freguesia e inclusive mostrei-lhe algumas fotografias”, assegurou lamentando que a situação ainda se mantenha.

Atanagildo Lobo confirmou que este assunto foi levado à ultima de Assembleia de Freguesia tendo sido aprovado por unanimidade um protesto para reclamar das entidades competentes que tome medidas para acabar com esta situação. Assim o protesto vai ser enviado ao Ministério do Ambiente e à Camara Municipal para tentar por fim a esta situação.

Por seu lado Honório Novo diz não saber “se este tanque tem licenciamento, não quero crer que tenha, mas vamos confrontar o Ministério do Ambiente com a necessidade de proceder a uma intervenção", afirmou o deputado, acrescentando que “para além da questão da poluição, está em causa uma potencial fonte de ignição de incêndios já que se trata de descargas de material altamente combustível".

O NT contactou António Pontes, vereador responsável pelo pelouro do ambiente que assegurou ter enviado “uma equipa de fiscalização ao local que constatou que se tratou de uma situação provocada pela chuva abundante que caiu no inicio de Dezembro e que fez transbordar o decantador, fazendo com que os resíduos se espalhassem pelo monte”. O vereador acrescentou ainda que a Câmara vai “informar a CCDR-Norte e a Direcção Regional de Economia para saber se a empresa em questão tem ou não licenciamento para exercer esta actividade. Caso não tenha será instaurado o processo de contra ordenação e serão activados os mecanismos para exigir que a empresa reponha a normalidade”. António Pontes garantiu que esta quinta-feira será enviada uma notificação à empresa para que de explicações sobre o que aconteceu e para que limpe a área afectada pela descarga”, concluiu.

Aterro em Guidões em plena Reserva Ecológica

A movimentação de terras em Reserva Ecológica Nacional junto ao Ribeiro da Aldeia, em Guidões motivou os protestos da CDU na ultima Assembleia daquela freguesia, e está a preocupar o eleito da CDU na Assembleia Municipal Jaime Toga que enviou esta terça-feira um requerimento, questionando a Camara da Trofa sobre esta situação.

{mospagebreak}

Atanagildo Lobo, membro eleito nas listas da CDU na freguesia de Guidões denunciou a movimentação de terras a larga escala que está a ser feita por uma empresa privada em zona de Salvaguarda Estrita da Reserva Ecológica Nacional e em terrenos de Reserva Ecológica Nacional, na margem do Ribeiro da Aldeia. O alerta foi dado pelo comunista na ultima reunião da Assembleia daquela freguesia onde apresentou um protesto que acabou por “ser chumbado com tres votos contra do PS e abstenções do PSD e restantes eleitos do PS”, o que acabou por inviabilizar que a proposta fosse mais além.

Numa visita ao local, acompanhados dos jornalistas de vários órgãos de comunicação constatou-se que a movimentação de terras foi realizada na margem esquerda do Ribeiro da Aldeia, junto à Estrada Nacional 104, um afluente do Rio Ave e que está apenas a 50 metros deste.

No local foi construído há mais de um ano um pavilhão, que posteriormente terá sido vendido a uma empresa privada que está agora a fazer a movimentação de terras. “Não contestamos a construção do pavilhão já que está conforme as regras do Plano Director Municipal (PDM) em vigor. O problema reside nos trabalhos que se seguiram já que em Dezembro houve uma movimentação de terras que alarga a zona envolvente do pavilhão e ocupa cerca de 3.000 metros quadrados de zona de Reserva Ecológica Nacional até à margem do curso de água”, o que segundo Atanagildo lobo, “vai contra as leis do PDM”.

O comunista vai mais longe e lembra que “os terrenos a nascente daquele local são apenas bouças e matos, logo se o empresario quiser alargar o espaço de ocupação pode faze-lo para essa zona sem seque afectar a REN e RAN”, sugeriu. “Infelizmente na Assembleia de Freguesia, tivemos três votos contra e o resto de abstenções e o voto favorável da CDU, isto provavelmente porque existem outros interesses”, acusou.

Os comunistas criticam ainda o facto de a lei não ser igual para todos já que esta situação origina aquilo a que chamam “desigualdades” , porque “há pessoas que têm terrenos junto ao ribeiro e que não podem construir e ao permitir uma situação destas a esta empresa está a criar a possibilidades de uns poderem fazer quando outros não podem”, ressalvou Atanagildo Lobo..
A CDU enviou, , um requerimento à Câmara Municipal da Trofa a questionar sobre a urbanização que considera violadora do PDM e a exigir a reposição da legalidade. Jaime Toga realça que a única medida a tomar passa pela remoção das terras que foram movimentadas para junto da margem do ribeiro da Aldeia.

Contactado pelo NT Bernardino Maia, autarca de Guidões disse apenas que a junta de Freguesia não licencia este tipo de situações e assegurou que esta matéria diz repeito à Camara Municipal.