A nível mundial, a doença de Parkinson atinge “cerca de uma a duas pessoas em cada mil”, segundo dados da Associação Portuguesa de Doentes de Parkinson. A doença foi o tema escolhido pela Associação Recreativa Juventude do Muro (ARJM) para a palestra que promoveu na noite de terça-feira, 13 de março.

A palestra, adiantou Romeu Correia, presidente da ARJM, está integrada nas comemorações do 40.º aniversário da coletividade e contou com a presença de Fernando Pereira, presidente da Delegação do Porto da Associação Portuguesa de Doentes de Parkinson (APDPk), Joana Mesquita, delegada da APDPk, e da psicóloga Sofia Araújo, que partilhou “testemunhos”.
O presidente da ARJM declarou que “uma plateia atenta e participativa encheu por completo” o salão nobre da Junta de Freguesia do Muro, onde “várias questões foram debatidas e esclarecidas ao longo da noite”. “As pessoas presentes deram os parabéns pela iniciativa e esperam por novos temas”, referiu.
Mas afinal o que é a doença de Parkinson? É uma “doença crónica que afeta o sistema motor, que envolve os movimentos corporais, levando a tremores, rigidez, lentificação dos movimentos corporais, instabilidade postural e alterações da marcha”.
A doença surge quando “os neurónios (células nervosas) de uma determinada região cerebral, denominada substância negra, morrem”. É nesta altura que “surgem os primeiros sintomas”, já que “há perda de 70 a 80 por cento destas células”. “Quando as células da substância negra morrem, os níveis de dopamina tornam-se anormalmente baixos, o que leva a dificuldades no controlo do tónus muscular e movimentos musculares, afetando os músculos, quer durante o repouso, como em atividade”, pode ler-se no site da APDPk.
A doença de Parkinson surge “por volta dos 60 anos”, mas “cerca de cinco por cento dos doentes tem início precoce, surgindo antes dos 40 anos”. Esta doença é ligeiramente mais frequente nos homens do que nas mulheres”, refere.