“Esperança: / É a maneira / Como o futuro fala / Ao nosso ouvido.

Depois / Há que saber organizá-la /

Então / Entram os comunistas em acção”

Sim, de facto, és o partido do futuro, como resulta destas lindas palavras de Mário Castrim. Hoje, precisamente hoje em que escrevo estas palavras, 6 de Março de 2011, completaste 90 anos. Um dos teus instrumentos de luta – o avante – atingiu os 80 anos.

Apesar de todas as maldições que te lançaram, das premonições que te vaticinaram, continuas vivo, puro, lutador invencível e incansável, pois tu sabes coisas que eles desconhecem, ou fingem desconhecer. Sabes, por exemplo, que a fonte inesgotável da tua força revolucionária, do teu ideal, da tua inspiração, dos teus militantes, da tua acção e dos teus recursos, são os trabalhadores e o povo português.

Apesar de seres o mais velho de todos, és também o mais jovem, sempre, sempre rejuvenescido, pois como salientou Carlos Carvalhas “o Partido renova-se sempre e constantemente, com pequenas soluções, pequenas propostas e pequenas respostas”. E bastará olhar para o teu grupo parlamentar para constatar essa realidade.

É no futuro e é pelo futuro que lutas. É para lá que transportas a tua bandeira revolucionária, fruto da mais antiga aliança do mundo: a de todos os explorados. É lá que fica o teu porto de chegada, a verdadeira cidade libertada, a terra da igualdade efectiva, da liberdade permanente, da democracia verdadeira. Nessa luta torna-se necessário conquistar a consciência do povo. É imprescindível adquirir essa consciência da explicação do mundo em que vivemos e simultaneamente indicar o caminho para transformá-lo. É essencial a conclusão de que o capitalismo é um sistema nem desejável, nem definitivo. Não serve a humanidade. Seja mais ou menos prolongada a sua agonia, virá a ser superado por um sistema melhor. Só o verdadeiro socialismo, a caminho do comunismo, tendo-te como timoneiro principal, poderá aproximar os homens, tratá-los como irmãos. Ao contrário do que dizem os comentadores políticos e os partidos de direita, nem o socialismo, e muito menos o comunismo, morreram. Eles tão pouco chegaram a existir. Apenas deram um pequeno ar. Mal acabaram de nascer. A libertação dos seres humanos da exploração e opressão violenta e cruel de outros seres humanos, foi e é sonho, revolta, utopia, projecto, acção revolucionária e transformação da vida económica, social e cultural para o bem do povo. O ideal dos comunistas, projecto humanista de transformação da sociedade, não morreu, antes começou a ser realizado no século XX.

É nesse projecto que te empenhas PCP, a cidade socialista do futuro. E não é coisa fácil. É muito, mas muito, mesmo muito difícil. Mas a nossa felicidade como comunistas reside no sonho e na luta, porque acreditamos na concretização do sonho. Prezamos a clareza e a coerência, rejeitamos os equívocos e as ambiguidades, enjeitamos a resignação e a acomodação, prezamos o inconformismo e renovamo-nos em energia transformadora.

Por isso a tua luta PCP, a nossa luta, não é só de resistência, mas sobretudo de transformação da realidade, na construção de mundo novo e de um homem novo.

Estás de parabéns PCP, fizeste 90 anos. Já trabalhaste e lutaste como nenhum outro. Nenhum tem a tua história, a tua luta, o teu património. Mas ainda tens muito para lutar…está quase tudo ainda por fazer…mas tu também tens armas, instrumentos, força, razão e poesia, sim, poesia, como nenhum outro…para lá chegar. E lá chegaremos…um dia… que, nas palavras do grande poeta andaluz António Machado, “o caminho faz-se, caminhando”.

Guidões, 6 de Março de 2011

Atanagildo Lobo