Certamente, todos ou quase todos já ouviram falar ou foram mesmo à importante festividade que se realiza em S. Mamede do Coronado todos os anos, em honra de Espírito Santo. Um importante elemento da cadeia que se forma para fazer nascer a cultura popular e sendo encarada na atualidade como um dos maiores ex-libris do concelho da Trofa.

A sua localização privilegiada no centro da freguesia, que no passado era das mais evoluídas localidades das “Terras da Maia”, tendo a sua capela dimensões razoáveis e que foi edificada num amplo largo onde ocorrem as referidas festividades e também outras atividades de cariz social, permite-me referir que se trata mesmo do salão de visitas de S. Mamede do Coronado.

A construção da capela é do século XVIII, contudo existiu certamente uma capela mais antiga, provavelmente, edificada na era de quinhentos, que foi sendo ampliada e remodelada para conseguir, eventualmente, acompanhar o elevado movimento de romeiros e a sua crescente importância na região.

Nas memórias paroquiais de 1758 que foram assinadas pelo Padre Bartolomeu Soares de Lima, era destaque a ermida do Espírito Santo como tendo confraria própria, sendo de pedraria e com sinais de modernidade, comprovando os argumentos do elevado movimento de romeiros e a crescente importância.

A sua reconstrução remontava a anos anteriores conforme foi descrito anteriormente, mas, mantinha o altar e os retábulos antigos, comprovando também a antiguidade do templo.

No século XIX, em 1866, conforme aponta o cruzeiro instalado naquele espaço, terá sido o ano em que terá havido novas reformas na zona exterior da capela, motivadas talvez pela necessidade de adaptar o espaço à crescente popularidade das festividades.

Num passado mais recente, as obras continuaram no edifício, com ampliação do anexo e estrutura entre outras empreitadas, não esquecendo que, muito brevemente, haverá novas obras e aquele cartão de visitas de S. Mamede do Coronado terá cara lavada e moderna, mas respeitando o seu passado.