A nova estação de comboios da Trofa entrou em funcionamento no domingo. Milhares de pessoas já visitaram a nova infra-estrutura.

Quinze de Agosto tornou-se numa data histórica para a Trofa. O dia marcou a entrada em funcionamento da nova estação de caminhos-de-ferro, e muitos curiosos quiseram ver a obra de perto.

Palmira de Jesus é de Campanhã e a curiosidade fez com que viajasse até à Trofa com o marido, de comboio, para espreitar a nova estação. “Está muito bonito e diferente”, afirmou, garantindo não saber onde estava, apesar de conhecer a Trofa “há muitos anos”.

Se esta portuense veio de propósito só para ver a nova estação, não é de estranhar que largas centenas de trofenses a tenham visitado durante todo o dia de domingo. José Vieira foi um dos que quis matar “a curiosidade” e dar o braço a torcer, já que “no início estava contra esta obra”. “Do sítio onde eu moro pensei que ia demorar mais a chegar a pé, mas está à mesma distância, porque construíram bons acessos”, frisou.

De todo o lado ecoam elogios ao edifício que se ergueu no lugar de Paradela. Para além de constituir uma mais-valia por ter deixado de dividir o centro urbano da Trofa, a nova estação agrada pelo design moderno e aprazível. Há quem considere o edifício transparente, inspirado na antiga Ponte Pênsil da Trofa, ainda mais bonito à noite.

Os comboios deveriam ter começado a parar na Trofa cerca das 6.30 horas da manhã de domingo, mas com a alteração da linha, as viagens só se concretizaram mais tarde, com as carruagens a passar pela cidade cerca das 11 horas.

Apesar de alguns atrasos mínimos, as viagens fizeram-se com normalidade, beneficiando de pequenos ganhos nos tempos, devido à diminuição da extensão do troço na Trofa.

A inauguração oficial da estação ainda não tem data definida, informou a presidente da Câmara, Joana Lima. “É uma obra do Governo, do Ministério das Obras Públicas e da Refer e só quando a requalificação da zona envolvente estiver concluída é que vão inaugurá-la. Penso que dentro de dois meses estará tudo pronto para podermos oficializar cerca de 4,9 quilómetros de acessibilidades rodoviárias e cerca de 3,5 quilómetros de linha nova”, referiu.

 

Nova variante encurta Linha do Minho em 500 metros

A nova variante ferroviária da Trofa, entre S. Romão de Coronado e Lousado, que entrou em funcionamento introduz, na óptica dos responsáveis da Refer, “melhorias significativas às condições de exploração ferroviária”, como “aumentar a oferta, melhorar a regularidade dos serviços e reduzir os tempos de percurso nas Linhas do Minho, de Guimarães e no Ramal de Braga”.

Para os responsáveis da empresa, esta nova linha “será também determinante na concretização da primeira fase da ligação de Alta Velocidade Porto/Vigo”.

A variante da Trofa tem início ao quilómetro 19,895 da Linha do Minho, antes do apeadeiro já desactivado da Senhora das Dores, inflecte para Nascente, contornando a zona central da cidade da Trofa e vai inserir-se, de novo, no traçado existente ao quilómetro 23,957, à entrada da ponte sobre o Rio Ave.

A linha tem, assim, a extensão de cerca de 3550 metros, em via dupla electrificada, encurtando o antigo percurso em 500 metros. Integra um troço em túnel com 1,4 quilómetros e um viaduto com 320 metros de comprimento. Nos restantes 1824 metros, corre, ora em escavação, ora em aterro. O valor global do investimento, incluindo os estudos/projectos, fiscalização, sinalização, materiais de via e expropriações foi de cerca de 66,3 milhões de euros.