Em S. Martinho de Bougado, o pároco Luciano Lagoa ainda não tomou uma posição sobre as próximas celebrações, como as comunhões, mas admite fazê-lo “nos próximos dias”. “Queria apenas esperar para perceber a evolução da pandemia”, referiu, sem deixar de sublinhar que “se não houver condições, serão adiadas ou decorrerão dentro do que as autoridades permitirem”.

Em cima da mesa subsistem muitas dúvidas, inclusive sobre a maior festa da cidade, em honra de Nossa Senhora das Dores.

Mesmo realizando-se em agosto, Luciano Lagoa não se atreve a dar garantias, antes assume uma postura cautelosa, considerando (…)

Este texto só pode ser lido integralmente na edição impressa do jornal ou através da edição disponível para assinaturas online. Mais informações aqui