No sábado passado realizou-se mais uma edição do Nos em D’Bandada, ou como já é conhecido o evento, o “São João da música”. Com o Porto em perfeita lotação esgotada, o que quer dizer, com as ruas repletas de milhares de pessoas, a edição de 2014 recebeu mais de 60 concertos distribuídos por espaços exteriores e salas míticas da cidade invicta. A tónica comum foi mais uma vez o acesso gratuito, mas com a enorme procura para a maior parte dos concertos, e com espaços por vezes exíguos, a luta por um lugar em certas assistências foi cerrada.

Miguel Araújo foi uma espécie de mestre de abertura das cerimónias, a bordo do eléctrico número 22. Atuando de dentro do veículo, acompanhado de menos de uma dezena de sortudos fãs e do guarda-freio Pedro, Miguel Araújo encantou quem o ouvia de fora graças ao som amplificado. “Anda comigo ver os aviões”, que Miguel confessou não estar na setlist do dia, teve que ser chamada a “palco para calar” as aeronaves que faziam acrobacias, deixando os espectadores que enchiam a Praça de Parada Leitão de olhos voltados para o céu.

Além de Araújo, vieram até ao Porto Fachada, You Can’t Win Charlie Brown, Dear Telephone, Norberto Lobo, Walter Benjamin, Ricardo Ribeiro, Mind da Gap, Ricardo Ribeiro (que deu um concerto curiosamente intimista no Passeio das Virtudes com uma bela vista para o Rio Douro), Real Combo Lisbonense (que agitaram a Praça dos Poveiros antes do jantar transformando-a em praça de baile), Pz e Rita Red Shoes. Houve ainda concertos de Holy Nothing, Cavalheiro, Throws + The Shine, Nice Weather for Ducks, Ermo, Old Jerusalem, Blackwater & the Screaming Fantasy, Claiana, Galadrop, Bruno Pernadas, Dealema, Monster JYNX, Solar Corona, Ghuna-X, HHY & The Macumbas, Niagara, D’Alva, Duquesa, Hitchpop, Time for Tea, Tar Feather, Lasers, White Haus, Ana Cláudia, Francis Dale, Ekco Deck, etc.

Armazém do Chá, Plano B, Rádio, Ateneu Comercial do Porto, Maus Hábitos, Passos Manuel, Café au Lait, Casa do Livro, Era Uma Vez em Paris foram os espaços interiores que se encheram de concertos e público nesta edição do Nos em D’Bandada. Coreto da Cordoaria, Passeio das Virtudes, Praça dos Poveiros, a Praça dos Leões e Rua Cândido dos Reis foram os espaço exteriores que se tornaram em gigantes salas de concerto ao ar livre onde se cantou e dançou, numa tarde e noite de verão absolutamente deliciosas.

O varandim da Torre dos Clérigos proporcionou concertos muito divertidos, com nomes como Cabra Cega, Charanga e Sampladélicos a encantarem até os mais céticos e a fazerem dançar todos os outros.

A portuense Capícua regressou ao Porto depois de um Verão muito agitado com presença forte e constante nos vários festivais de música realizados no país, e deu um concerto bastante animado e procurado na Praça dos Leões.

Esta mesma praça receberia de seguida o grande concerto da noite: Manuela Azevedo com a Orquestra de Jazz de Matosinhos (OJM). Uma re-edição de uma noite deliciosa de há poucas semanas atrás na Casa da Música, mas desta vez em forma de prenda para toda a cidade. Manuela encanta com a simpatia e a voz, e os temas próprios e emprestados fizeram as delícias de quem a escutou e se maravilhou com a OJM.

A festa continuou com atuações de Dj’s, e foi já noite dentro com Blacksea Não Maia, no Armazém do Chá, que as gentes do Norte se despediram de mais uma D’Bandada.

Texto: Joana Vaz Teixeira
Fotos: Miguel Pereira

Fotogaleria (clica nas imagens para aumentar) 
{phocagallery view=category|categoryid=74}