Estradas cortadas, caves alagadas e viaturas submersas. Este era o cenário na Trofa depois de uma noite de muita chuva. (Para ver mais fotos clique aqui)

O Rio Ave galgou as margens inundou tudo à sua volta. Nem o estaleiro da obra do parque das Azenhas escapou à fúria das águas com as máquinas, os camiões e os contentores a ficarem dentro de água. Já na Estrada da CEE em Santiago, uma viatura ligeira de mercadorias ficou parcialmente coberta pelas águas do rio Ave não havendo no entanto feridos a registar.

 

Já a EN14 entre o Intermarché e o Pólo I da Câmara Municipal da Trofa esteve cortada à circulação entre as 21.30 horas de quinta-feira e as 11 horas de sexta-feira para desespero de centenas de automobilistas.

 Em S. Romão do Coronado, no lugar do Seixinho a derrocada de parte de uma rua causou o soterramento de duas viaturas que se encontravam estacionadas, sem no entanto causar vítimas. 

De acordo com o relato feito à agência Lusa pelo responsável da Polícia Municipal (PM) da Trofa, Vítor Pinto, a subida do caudal do rio Ave, está a causar “grandes estragos” no concelho da Trofa, desde estradas fechadas à circulação a zonas submersas e intransitáveis, sendo atualmente de “maior preocupação” a situação da zona do Parque das Azenhas.

” As obras do próprio Parque das Azenhas poderão ter prejuízos elevados porque o estaleiro está submerso e várias máquinas do empreiteiro também. A obra está parada e praticamente destruída”, descreveu Vítor Pinto.

Questionado sobre se é possível avançar com um valor quanto aos estragos provocados pela subida do caudal do rio, o responsável da PM da Trofa considerou “prematuro” avançar com valores, por estes “ainda não estarem totalmente apurados”.

Além desta zona, na freguesia de S. Romão do Coronado permanecem fechadas duas estradas devido à derrocada de terra. Já na freguesia de Santiago há registo, neste momento, do fecho de “três a quatro estradas secundárias”.

Vítor Pinto explicou que o primeiro alerta de emergência, devido à subida das águas do rio e à forte precipitação, foi dado às 20:00 de quinta-feira, tendo, “de imediato” sido encerradas duas estradas nacionais: a EN14, que só foi reaberta às 12:00 de hoje, e a EN104, que reabriu às 08:00.

“Ambas as estradas estão já transitáveis, mas é necessária e aconselhável muita cautela. Estas estradas estão a ser vigiadas e alvo de muita preocupação por parte dos serviços de emergência da Trofa. Devido à muita chuva, o piso está saturado e não consegue absorver as águas. É necessário esperar que o rio vaze para o mar”, descreveu Vítor Pinto.

Durante a noite, a PM da Trofa registou cerca de 50 ocorrências desde pedidos de socorro devido à entrada de água em casas particulares e unidades fabris, ao registo de muitas viaturas submersas.

O responsável da PM da Trofa alertou, ainda, para alguma “falta de cuidado” por parte dos munícipes: “Aconselha-se a que cortem imediatamente a corrente de luz se a água começar a entrar em casa mas nem todos o fazem, assim como nem todos seguem as ordens de desvios de trânsito ao ponto de ficarem bloqueados na estrada devido à muita água”, disse.

Atualmente estão no terreno, na Trofa, várias patrulhas da PM, Bombeiros Voluntários, Comando de Proteção Civil e GNR. Vítor Pinto adiantou que só da PM tem “todo o efetivo, mais de dez agentes, no terreno”.