trofensecomemoragoloPurga em curso no plantel do Trofense. Ricardo Nascimento e Zé Carlos não entram nos planos de Tulipa e a direcção pretende pressionar os atletas a rescindir contrato. Ambos foram, ontem, informados da intenção da entidade patronal, que ameaça avançar para a frente legal instaurando processos disciplinares aos jogadores no caso de estes não saírem por mútuo acordo.
Trata-se de um caso com contornos estranhos, na medida em que o avançado brasileiro até foi convocado para defrontar a Académica, mas acabou por nem sequer ficar sentado no banco. No sábado, o sítio do clube explicou a situação com uma dor no adutor esquerdo mas, segundo as nossas fontes, Zé Carlos terá trocado palavras azedas com Tulipa em pleno balneário, à frente do grupo, quando percebeu que não seria titular.

Trata-se de uma versão sem contraponto oficial, na medida em os principais responsáveis do Trofense, como o presidente Rui Silva, o vice Armando Martins ou o director Fernando Ramos não atenderam o telemóvel até ao fecho da nossa edição.

O técnico Tulipa, ao ser confrontado com a rescisão de Ricardo Nascimento e Zé Carlos, disse não pretender “falar desse assunto com a comunicação social”, remetendo-nos para o director de comunicação, Nuno Lima. Este elemento da estrutura do Trofense apenas referiu não existir “qualquer confirmação oficial” em relação aos casos sobre a mesa, enquanto o telemóvel de Zé Carlos era atendido por um amigo e Ricardo Nascimento também se mantinha incontactável.

Fonte – Jornal Record.