Dando seguimento a uma abordagem de tipos de personalidade que caracterizam alguns políticos que conhecemos bem e com quem nos cruzamos ao virar da esquina, após a dissecação sobre o Mentiroso compulsivo e antecedendo o Egocêntrico, será feita, neste artigo, uma análise sobre o Narcisista.

O individuo com a personalidade Narcisista, caracteriza-se pela mania doentia de se estimar só a si e o termo técnico vem da história narrada por Ovídeo nas Metamorfoses em que um jovem de seu nome Narciso, insensível ao amor, um dia que se debruçou numa fonte e vê a sua imagem reflectida na água, desde logo se apaixona pelo que viu, a sua própria imagem e doravante apenas se interessa no deleite do amor por si próprio.

Os indivíduos com este transtorno de personalidade Narcisista têm um sentimento grandioso da sua própria importância e uma necessidade de admiração e falta de empatia. Mesmo que tentem esconder esse transtorno, é bem visível o seu comportamento presunçoso e arrogante, quando se expõem no relacionamento inter-pessoal que tantas vezes os levam a ruminar acerca da admiração que os outros deveriam ter a si próprio pelo exagero das suas realizações com graus elevados de fantasias de sucesso ilimitado, poder, beleza e até inteligência que muitas vezes não têm. Ele acredita ser um ser superior, especial e único e deseja ser reconhecido pelos outros como tal e por isso tem necessidade de se elevar para ser visto e assim mostrar a sua grande vaidade que o faz cegar. Se tiver algum poder, político, económico ou financeiro ou outro, o Narcisista alimenta essa sua grande vaidade através de quem o rodeia, normalmente inculto mas suficientemente perspicaz para poder usufruir de algumas migalhas que ele possa deixar cair, por descuido ou interesse pessoal.

Os indivíduos que possuem esse transtorno de personalidade geralmente exigem admiração excessiva e a sua auto-estima é muito baixa e frágil. Por vezes, o Narcisista, procura, através de maneiras cativantes, elogios que não merece mas que a sua cegueira não deixa ver. Eles esperam ser adulados e ficam desconcertados e furiosos quando isso não acontece, pois o Narcisista espera muita dedicação da parte dos outros e procura construir amizades ou até relacionamentos românticos, somente se vislumbrarem a possibilidade de que a outra pessoa vá ao encontro dos seus objectivos ou de outro modo aumente a sua auto-estima. Por pensarem que são especiais, quantas vezes usurpam privilégios, recursos ou até lugares que não merecem ou não têm capacidade.

Os indivíduos com transtorno de personalidade Narcisista têm inveja dos outros que têm mais capacidade do que ele e guardam rancor pelos sucessos ou posses dos outros, pois acham que só eles são merecedores dessas realizações, admiração ou privilégios e também por isso têm comportamentos arrogantes e frequentemente exibem atitudes desdenhosas.

A vulnerabilidade da auto-estima torna os Narcisistas muito sensíveis a mágoas por criticas ou derrotas. Embora, possam não demonstrar publicamente, as críticas fazem com que se sintam humilhados e a sua reacção pode ser de raiva ou até de afrontamento. Essas experiências levam-no a ter uma aparência de humildade que esconde e protege a sua falsa grandiosidade que pode ser grave se exerce poder e atrás desse poder se tenta esconder com esta personalidade Narcisista e perigosa.

As estimativas da prevalência de indivíduos com transtorno de personalidade Narcisista são menos de 1% da população geral, mas já representa mais de 10% da população clínica e destes, perto de 75% são homens. Se não tratados clinicamente pode, a mania da grandiosidade que o Narcisista possui, ter episódios maníacos e causar um prejuízo funcional significativo ou sofrimento subjectivo.

Votos sinceros de um Santo e Feliz Natal.

José Maria Moreira da Silva

moreira.da.silva@sapo.pt