A imagem de um vestido vermelho sobre um manequim que está suspenso por um cabo foi a metáfora utilizada pela Guarda Nacional Republicana para assinalar Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres.

Tal saco de pancada, as mulheres vítimas de violência pintam de negro as páginas dos jornais, diariamente, num flagelo que, apesar da mudança dos tempos e da imensa informação disponível, continua a revelar um traço infeliz da personalidade da população portuguesa.

Face aos números assustadores de vítimas, maioritariamente do sexo feminino, às mãos de agressores que, na maior parte das vezes são cônjuges ou parentes próximos, a GNR lançou a campanha #NãoSouUmSaco, à qual o município da Trofa, assim como outros 160, se associou.

A campanha “será materializada na exposição da imagem em centenas de locais, de norte a sul do país”, através de outdoors publicitários ou mobiliário urbano (MUPI), para “uma ampla transmissão do apelo à denúncia”, fez saber a GNR em comunicado

“Além de ser um crime, tantas vezes com consequências fatais, a violência doméstica constitui uma preocupação prioritária da Guarda. Trata-se, pois, de uma iniciativa enquadrada numa estratégia de consciencialização, que visa contribuir para a mudança de comportamentos da sociedade e para a progressiva intolerância social face à violência doméstica, uma vez que este flagelo impõe a adoção de estratégias multissetoriais e de respostas rápidas de múltiplas naturezas”, acrescentou a Guarda.