Contrabaixista trofense, que faz parte da Orquestra Ritmos Ligeiros, vai abraçar um novo projeto musical na Orquestra Filarmónica de Malta.

João Gonçalves garante que foi o contrabaixo que o escolheu e não o contrário. Foi na prova de aptidão da ARTAVE (Escola Profissional Artística do Vale do Ave), que revelou habilidade para o instrumento, que foi ao encontro da sua preferência por sons graves. Começou a estudar música aos 12 anos e como “passos mais importantes” no percurso artístico teve a conclusão do curso profissional na Artave, a entrada na Universidade do Minho no Curso de Música e a participação na Fundação Orquestra Estúdio Capital Europeia da Cultura 2012 – Guimarães. No entanto, o salto na carreira estará para breve, quando ingressar na Orquestra Filarmónica de Malta. “Esta oportunidade surgiu graças aos laços criados em Guimarães 2012, na Fundação Orquestra Estúdio, na qual se reuniram músicos de várias nacionalidade europeias e foi aí que conheci Aureliano Balducci, que atualmente é segundo violetista na Orquestra Filarmónica de Malta. Esta aceitou a indicação do meu nome para preencher a vaga de contrabaixista” contou.

Com a nova experiência, João Gonçalves espera “estudar, aprender e crescer a nível musical e aprofundar as diversas culturas em que tenha, ou possa, vir a ter contacto”.

Na Trofa, o músico é membro da Orquestra Ritmos Ligeiros, desde 2007/2008, na qual participa “ativamente”. “É uma associação musical que eleva a qualidade cultural na Trofa desde a sua fundação”, refere. Em 2011, foi convidado para fazer parte do corpo diretivo da orquestra.

Nos primeiros passos internacionais, João Gonçalves cimenta a carreira que não é feita por paixão, mas “por estar bem preparado neste campo”, porque “as paixões são voláteis, a arte não”.