quant
Fique ligado

Edição 498

Município distingue personalidades e entidades

Publicado

em

No dia 19 de novembro fez 16 anos que mais de oito mil trofenses foram a Lisboa, à Assembleia da República, buscar o concelho.

Devido à sua relevância histórica, o Município faz questão de festejar esta efeméride, recordando o momento que o futuro mudou e o sonho foi possível. De forma a comemorar os 16 anos de elevação da Trofa a concelho, a Câmara Municipal da Trofa preparou várias atividades que teve como protagonistas os valores locais. O ponto alto das comemorações foi a sessão solene, na quarta-feira, onde estava prevista a presença do Secretário de Estado da Administração Interna, João Almeida, que faltou à cerimónia porque às 12 horas tomou posse juntamente com a Ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, depois de Miguel Macedo ter apresentado a sua demissão.

A sessão, que decorreu no salão nobre dos Bombeiros Voluntários da Trofa, ficou marcada pelo reconhecimento público a inúmeras personalidades e entidades de excecional prestígio de âmbito local, nacional e internacional, atribuindo medalhas de honra e de mérito associando para sempre o seu nome, talento e notoriedade ao concelho da Trofa.

Na cerimónia foi apresentando o projeto “DNA Trofa: Empreender passa por aqui”, que, segundo o presidente da Câmara, Sérgio Humberto, “não é uma ideia nova” mas “surgiu em 2007 e infelizmente com muitos erros”. O DNA Trofa vai desenvolver-se em três vetores “empreendedorismo júnior, empreendedorismo feminino e networking”, que “pode dar uma enorme ferramenta para a população”.

O feriado municipal começou com o hastear das bandeiras, seguindo-se a missa solene na Capela de S. Gonçalo, em Covelas. Ao final da tarde foi servida a tradicional vitela assada no mercado.

Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 498

Comunicação dos stocks das empresas passa a ser obrigatório

Publicado

em

Por


Está prevista na proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2015, mais uma medida de combate à fraude e evasão fiscal, que passa pela obrigatoriedade de comunicação dos inventários (stocks) à Autoridade Tributária e Aduaneira (AT).
Embora ainda esteja na proposta de Orçamento do Estado, tudo leva a crer que irá ser uma realidade no decurso do mês de janeiro de 2015, com a comunicação dos stocks existentes nas empresas no último dia de 2014. A possibilidade de transmissão de dados já está contemplada no portal das finanças, o que reforça a intenção da sua implementação imediata.
Esta nova obrigatoriedade aplica-se às empresas e pessoas singulares que tenham sede ou estabelecimento estável ou domicílio fiscal em Portugal, que disponham de contabilidade organizada e que estejam obrigadas à elaboração de inventários. Traduz-se numa comunicação à AT, por transmissão eletrónica de dados, do conteúdo do inventário, ficando apenas dispensados desta obrigação os empresários que no ano anterior tenham obtido um volume de negócios inferior a 100.000,00€.

Esta “inovação” apenas se reporta à comunicação obrigatória (e não é pouco), uma vez que as empresas já são obrigadas à elaboração do seu inventário, onde se registam a quantidade e valor (preço de custo) dos seus bens em stock pelo menos de forma intermitente, normalmente no dia 31 de dezembro.
Em conclusão, a intenção é clara, trata-se de mais uma medida de aperto e controlo às empresas com vista ao combate à fraude e evasão fiscal, vindo na linha das obrigações de comunicação das faturas e da comunicação prévia do transporte de mercadorias. Portugal reforça assim, a sua posição de “controlador” dos seus cidadãos em matéria de fiscalidade e impostos.
A leitura deste artigo não dispensa a consulta da legislação fiscal em vigor e/ou aconselhamento profissional.
Tiago Guimarães
JPC-CONTABILIDADES

Continuar a ler...

Edição 498

16 Anos de Município… e Agora!!!

Publicado

em

Por

No momento em que vivemos mais um Aniversário do Município da Trofa, revela-se sempre interessante conseguirmos refletir de forma transparente, o que foi mais um ano de vida deste Jovem Concelho e por outro lado traçar no nosso horizonte os objetivos para mais um ano que se inicia. Se o fazemos de forma mais ou menos intensa na nossa vida pessoal, porque não faze-lo em relação à comunidade onde estamos inseridos.
Se alguns ainda se questionam se valeu a pena a emancipação do nosso Município, ponderando se a realidade anterior não seria melhor do que a que hoje vivemos, outros defendem que o ganho de autonomia potencia uma evolução mais rápida.
Fazendo parte deste segundo grupo, e acreditando que muitos mais comungam da mesma opinião, defendo uma participação ativa, dentro dos direitos de cidadania, que nos permita divergir nas opiniões, para que possamos construir algo melhor tendo por base o contributo de muitos, com pensamentos diferentes, sem perder nunca o respeito por cada um.
Mas… Mais um ano passou, e apesar da ansiedade de dar a conhecer um rol de pontos concretizados, importantes, quando explicitados na seriedade de quem tem o verdadeiro mérito, nem sempre somos fieis às promessas assumidas
Pena é, quando a esta ansiedade se sobrepõem a incompleta ou inexistente concretização e mesmo assim permite anunciar e publicitar pontos como realizados, quando a realidade nem sempre o confirma.
Os exemplos são vários: os empregos a ser criados vs a necessidade de trabalho de muitos; as rotundas que finalmente funcionam vs o mesmo problema do passado; as travessias e variantes que são desejos de todos vs o caos da nossa rede rodoviária; mas tudo isso em dado momento estava feito ou era fácil de concretizar, pelo menos no papel ou nas redes sociais.
Mas somos Trofenses, e se soubemos lutar pela conquista da autonomia autárquica, hoje necessitamos, como Trofenses, lutar para que o que nos é apresentado como projeto seja efetivamente uma realidade, pois no que é bem feito, estamos todos de braço dado.
Precisamos revitalizar a Vontade de ser Trofense, a vontade de felicitar uma gestão que independentemente do meio ou canal mediático que usa para divulgar o que faz ou vai fazer um dia, seja lá quando for, se preocupe com a pessoa Trofense.
Que procure olhar todos os dias os problemas ou as dificuldades na visão do Trofense humilde, trabalhador, que apenas quer condições para ser um Trofense com melhor qualidade de vida.
Mas para isto necessitamos de Trofenses participativos, mobilizados, conscientes que a responsabilidade desta difícil tarefa também é de todos e de cada um, apenas pelo facto de ser Trofense e não por ser membro de qualquer organização.
Só o facto de sermos Trofenses dá-nos o direito de ser exigentes.
Exigentes nas promessas que hoje são realidade, amanhã são um desejo e no dia seguinte eram uma vontade que o contexto já não permite realizar. Como se hoje pudéssemos anunciar tudo, sem a responsabilidade de podermos ter que ser nós mesmos a concretizar amanhã.
O que queremos para o próximo ano… Transparência, Rigor, Seriedade, Proximidade, Respeito e acima de todos estes valores, o Humanismo no tratamento dos Trofenses enquanto Cidadãos, naquilo que é prometido, naquilo que nos é apresentado no momento do Voto, e depois por razões que a razão desconhece diverge na concretização.
Vamos ser Trofenses exigentes, para que a Trofa cresça com rumo, e sem promessas vãs, procurando acima de tudo o incremento da qualidade de vida do Trofense.

Pedro Ortiga

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);