A Mundos de Vida e a Santa Casa da Misericórdia da Trofa estiveram entre as dez instituições finalistas do Prémio Manuel António da Mota para o projecto mais inovador no combate à pobreza e exclusão social.

Dar sem receber é uma das máximas de quem é solidário. No entanto, o grupo Mota-Engil quis alterar esta tese, atribuindo um prémio àqueles que servem os que mais necessitam. A Mundos de Vida e a Santa Casa da Misericórdia da Trofa estiveram entre as dez instituições que cativaram o júri do Prémio Manuel António da Mota, na iniciativa “Portugal Solidário”, promovida pelo grupo Mota-Engil e a rádio TSF, no domingo, no Palácio da Bolsa, no Porto.

A Associação Sócio-Terapêutica de Almeida foi a instituição vencedora, sendo-lhe atribuído o prémio de 50 mil euros, mas as restantes não ficaram de “mãos a abanar”. António Mota anunciou o reforço de menções honrosas às outras nove candidaturas, no valor de cinco mil euros.

O Presidente da República, Cavaco Silva, encerrou a cerimónia deixando o “elogio” a todas as associações pelos “esforços que são desenvolvidos, tendo em vista usar de forma mais eficiente os recursos que são sempre escassos”. “O vosso exemplo deve ser apresentado ao país, por aquilo que têm feito, pela luta que têm travado e os milagres que conseguem produzir com recursos que são sempre insuficientes. É importante que os bons exemplos sejam difundidos, para que possam ser replicados noutras partes do país e outros sejam estimulados a agir”, frisou.

Saiba mais sobre este assunto na edição do NT, já nas bancas.