quant
Fique ligado
procissão-em-Santiago-101 procissão-em-Santiago-101

Edição 426

Milhares na rua para procissão do Mês de Maria ( C/Video)

Publicado

em

 procissão-em-Santiago-101

Paróquia de Santiago de Bougado assinalou no sábado, dia 1 de junho, o encerramento do mês de Maria com uma procissão de velas. Confraria de Nossa Senhora do Rosário apresentou imagem da santa, restaurada, que foi benzida pelo Padre Bruno Ferreira.

Milhares de velas iluminavam o caminho onde os tapetes feitos de muitas flores cobriam as ruas, por onde haveria de passar a imagem de nossa senhora de Fátima. Muitas centenas de bougadenses, unidos pela fé, pela devoção e pelo bairrismo começaram semanas antes a preparar a procissão de encerramento do Mês de Maria, assinalado através da procissão de velas, que percorreu algumas ruas das aldeias de Cedões, Trofa Velha e Lagoa, desde a Capela de Santa Luzia até à Igreja Matriz de Santiago de Bougado.

O encerramento do mês de Maria foi a primeira atividade da festa em honra de Nossa Senhora do Rosário e que, segundo António Costa, tesoureiro da Confraria, correu “bastante bem”. “Todo o trajeto desde a Capela de Santa Luzia até à Lagoa estava muito bem enfeitado”, denotou.

 

Opinião partilhada por Bruno Ferreira, pároco de Santiago de Bougado, que fez um balanço “muito positivo”, tendo realçado a “adesão das pessoas que foi impressionante”. “Estivemos 20 minutos dentro da igreja a ver as pessoas a entrar para verem as duas sacristias. É nestes momentos finais que temos a perceção que quando a comunidade se junta, está toda unida e motivada”, afirmou.

Uma das grandes vocações da Confraria de Nossa Senhora do Rosário foi restaurar a imagem da Santa, com cerca de 300 anos, que estava “bastante danificada” e guardada no “museu” da paróquia de Santiago. Além dos dourados da imagem estarem “muito estragados”, o braço do menino e a mão de Nossa Senhora estavam partidos.

O restauro teve o custo de “cerca de 1500 euros” que estão praticamente pagos, faltando cerca de “200 euros”. António Costa acredita que ficará saldado até ao dia 23 de junho. “O restauro desta imagem deve-se a muitas pessoas particulares e empresas que desde a primeira hora consideraram que deviam dar o seu apoio e colaboração. Agradeço imenso a todos os que se prestaram a esta obra”, agradeceu o tesoureiro da Confraria.

Publicidade

A “pérola escondida”, como apelidou o Pároco Bruno Ferreira a imagem de Nossa Senhora do Rosário, é “das mais antigas da paróquia”, que pertence à “Confraria mais antiga”. Datada do “século 16”, esta imagem foi mandada restaurar para que estivesse “pronta” no mês de Maria, uma vez que nesta altura conta-se com a presença “em massa das pessoas”.

Além da apresentação da imagem renovada, o Pároco de Santiago de Bougado aproveitou para mostrar as renovações nas sacristias, ao nível dos paramentos, o “pequeno altar com o crucifixo, o preciosíssimo oratório e os quadros que estavam em pau santo”. Aproveitando os móveis já existentes na paróquia, o pároco requalificou-os, dando-lhes um “toque mais contemporâneo”. “Convidei toda a gente a ver estas pequenas remodelações feitas com o folar que me ofereceram e que quis usar para retribuir-lhes com aquilo que me deram e que é deles. Isto é da comunidade e temos a missão de preservar”, concluiu.

 

Programa das Festas de Nossa Senhora do Rosário

As festas em honra de Nossa Senhora do Rosário retomam no dia 20 de junho, com uma conferência sobre o Rosário, na Igreja Matriz. Já no dia seguinte, pelas 22 horas, há a atuação da Orquestra Ritmos Ligeiros.

No dia 22, sábado, o Grupo de Zés Pereiras percorrerá as ruas da freguesia, anunciando as festividades. Pelas 21.15 horas, decorre a atuação do Rancho das Lavradeiras da Trofa e do Rancho Etnográfico de Santiago de Bougado e, pelas 22.30 horas, de Pedro Sousa e suas bailarinas, vencedor da 3ª edição do Festival da Canção, realizado o ano passado, nas festas de Nossa Senhora das Dores. O dia encerra com uma sessão de fogo de artifício.

Publicidade

No último dia de festas, 23 de junho, há uma missa solene em honra de Nossa Senhora do Rosário, pelas 11 horas, o concerto da Banda de Música de Alfena, pelas 14.30 horas, e a recitação do terço, seguida da procissão com diversos andores, pelas 17 horas. As festas encerram com o espetáculo de fado com Paula Canossa, Eduardo Pinto e Fados de Coimbra.

Continuar a ler...
Publicidade
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 426

Urbanismo : A Qualidade de Vida Como Um Direito.

Publicado

em

Por

Gualter-Costa

No BLOCO DE ESQUERDA sempre consideramos que a qualidade de vida deve ser entendida como um direito implícito de todos os cidadãos e não como um privilégio. 

A vontade de mudança do velho paradigma “do betão e do asfalto” para um novo paradigma assente na promoção do ambiente, na requalificação e reabilitação urbana, na sustentabilidade energética está presente já hoje na Trofa. Esta, implica um novo modelo de gestão autárquica mais exigente e atento à satisfação das necessidades da população. O papel de uma autarquia, será cada vez mais o de assegurar a qualidade de vida às suas populações, desenvolvendo políticas económicas e sociais sustentáveis e ambientalmente amigáveis.

No domínio do urbanismo, a Trofa precisa de subordinar o mercado imobiliário e a construção civil às regras de um novo ordenamento de território, definido pelo interesse coletivo e combatendo a especulação.

Infelizmente, ainda não existe um plano estratégico urbanístico a longo prazo para o Concelho.

Não é possível perspetivar o desenvolvimento, sem identificar claramente as centralidades, as periferias, os limiares urbanos, os movimentos pendulares, os perfis, os cenários, os ritmos urbanos e rurais, os estrangulamentos, as ameaças, as oportunidades, as potencialidades.

Esta situação tem sido responsável por dinâmicas de crescimento erradas e geradoras de uma contínua descaracterização da imagem e da matriz identitária do Concelho da Trofa. Têm sido incentivadoras de áreas de crescimento periféricas mal consolidadas, resultantes da disseminação de inúmeros loteamentos. Sem espaços públicos de qualidade, nem infraestruturas viárias e de apoio básicas. Sem infraestruturas de saneamento e de recolha de resíduos adequadas. São habitualmente resultantes da destruição descontrolada de importantes solos agrícolas e florestais.

Potencializou-se a crise identitária do mundo rural. Anarquizou-se e despromoveu-se o espaço físico urbano.

Verifica-se também a existência de um índice elevadíssimo de edifícios degradados, em particular no centro e nas áreas mais nobres da Cidade da Trofa. À reabilitação de fogos e edifícios devolutos, tem-se preferido apenas a irracionalidade de construir sempre novo, alargando-se de forma descontrolada o perímetro urbano. Não há espaços públicos disponíveis para os cidadãos. Não há espaços públicos dedicados às pessoas. Não há espaços públicos vocacionados para promoção da socialização e da cultura. Não há espaços públicos pensados para uma correta valorização, promoção e dinamização do comércio local e tradicional.

Publicidade

Estas situações somadas, são as principais responsáveis pela desertificação e completo abandono do centro da cidade, quer pelos cidadãos, quer pelas empresas, quer pelo comércio.

O centro da Trofa, vê dia para dia, a sua população a envelhecer e degradar-se. Os jovens por ausência de alternativas e de trabalho, são expulsos para as periferias, e infelizmente, cada vez mais para o estrangeiro. O centro deixou de ser cidade e as periferias não o conseguem ser.

É urgente reabilitar e rejuvenescer a cidade e o concelho da Trofa!

O BLOCO DE ESQUERDA DA TROFA considera pois, imperiosa uma alteração às políticas de urbanismo no Concelho da Trofa.

Defendemos a necessidade de travar a especulação fundiária e imobiliária, definindo como alternativa às “políticas do betão armado”, políticas de requalificação e valorização urbana.

É imperativo fomentar a transparência e a divulgação dos processos de licenciamento, assim como, a elaboração de um plano urbanístico municipal baseado em critérios de solidariedade social e territorial.

Urge implementar políticas públicas de apoio no acesso a uma habitação digna das populações mais carenciadas, mas também a promoção e reabilitação dos espaços envolventes às áreas de habitação social. Criar programas de incentivo à reabilitação de fogos de senhorios e inquilinos pobres. Desenvolver a indústria de restauro e da reconstrução no concelho. Incentivar parcerias com senhorios e outros agentes, para dinamizar o mercado de arrendamento jovem e o mercado de arrendamento a preços controlados, em especial dos edifícios reabilitados.

Publicidade

Mas é igualmente importante para a melhoria da qualidade de vida no nosso concelho, a salvaguarda e a proteção do nosso património cultural, arquitetónico e ambiental, promovendo-se a sua defesa e classificação. O aumento e a exigência de novos espaços verdes e de equipamentos coletivos, nos planos de ordenamento do território e nas operações de loteamento, são também imperativos.

Continuar a ler...

Edição 426

«Quem não evita as faltas pequenas, pouco a pouco, cai nas grandes»

Publicado

em

Por

atanagildolobo

Dou comigo a ler no café uma entrevista do Presidente da Junta de Freguesia de Alvarelhos a um novo jornal da Trofa, distribuído graciosamente, inusitada graça, mas mais comum em ano de eleições autárquicas. E, de facto, há os meios de comunicação social que, sem serem completamente imparciais, são menos parciais, e há os outros, mostrando serem totalmente independentes, são tendenciosos até ao tutano.

Tenho muita consideração pela freguesia de Alvarelhos e pelos Alvarelhenses, repito. Alvarelhos é uma terra antiquíssima, com centenas de anos, que quando foi fundada, muitos dos países que compõem a Troika nem sequer existiam, senhora de uma prodigiosa narrativa por decifrar, mas também de uma história respeitável a defender, que exige homenagem, dignidade e admiração. Mas há uma coisa que o poder autárquico em Alvarelhos e o Presidente da Junta continuam por explicar: Que vantagens advêm para os Alvarelhenses a sua fusão com Guidões? Isso melhorará a qualidade de vida dos Alvarelhenses? Conseguirão os habitantes da «União de Freguesias» manter o indicador de desenvolvimento que tiveram até aqui? São interrogações que ficam e às quais a entrevista do Presidente da Junta de Alvarelhos não responde. Mas no que diz respeito à nova freguesia o Presidente da Junta faltou à verdade e mostrou um profundo desprezo pela vontade das pessoas, um sério desnorte quanto às regras e decisões democráticas dos órgãos representativos do Povo. Ao contrário do que afirma o Presidente da Junta de Alvarelhos o Povo de Guidões, e não apenas «algumas pessoas», assinou um abaixo-assinado com cerca de mil assinaturas que o Presidente da Junta de Alvarelhos poderá constatar junto dos grupos parlamentares do PSD da Assembleia Municipal da Trofa ou da Assembleia da República, para onde foi enviado. Cerca de meio milhar de pessoas de Guidões saiu às ruas na noite gélida de 9 de fevereiro de 2013 na «queima do entrudo chamado Relvas», em defesa da autonomia política e administrativa da sua terra, a Freguesia de Guidões. E fique a saber o Presidente da Junta de Alvarelhos que os representantes do PSD na Assembleia de Freguesia de Guidões votaram positivamente as moções contra a fusão e extinção da Freguesia de Guidões. E saiba ainda o Presidente da Junta de Alvarelhos que muitos dos que já foram simpatizantes e votantes do PSD têm a bandeirinha de Guidões na janela e um conhecido militante do PSD foi um dos obreiros principais e um grande ativista na «Comissão de luta contra a extinção da Freguesia de Guidões». Assim, um pouco mais de respeito pela vontade, pelo querer e pensar do Povo de Guidões, assentaria sempre bem melhor ao Presidente da Junta de Alvarelhos.

A outra inverdade prende-se com a tentativa de fazer crer que era possível as freguesias de Guidões, Alvarelhos e Muro ficarem como estão no quadro da proposta de lei do PSD e do CDS. Ora isso só não era possível atentos os seus pressupostos, como foi o próprio PSD na assembleia municipal que apresentou e votou favoravelmente uma proposta de fusão entre Guidões e Alvarelhos. Sem sofismas, os responsáveis pela extinção das freguesias são PSD e CDS, pela genial doutrina do ex-ministro Miguel Relvas. Felizmente ficaram pelo caminho os novos «jobs for the boys» das CIM ( comunidades intermunicipais ) graças ao Tribunal Constitucional. Mas já agora e só em jeito de desabafo. Muito estranhei o facto de, em tão extensa entrevista, não haver uma palavra sobre políticas de emprego, pois o desemprego já atinge, e muito, a população de Alvarelhos, graças à política do PSD e CDS; nem uma palavra sobre o Metro que deveria vir até à Trofa, servindo a população de Alvarelhos e não veio. Furtaram o comboio e não construíram o metro, numa política em que o PSD e CDS têm muita responsabilidade; Nem uma palavra sobre as potencialidades do Castro de Alvarelhos, como projeto científico, histórico e turístico. Muito estranho…mas é bem verdade que «quem não evita as faltas pequenas, pouco a pouco, cai nas grandes».

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);