quant
Fique ligado

Edição 686

Memórias e Histórias da Trofa: S. Cristóvão do Muro no século XVIII

Publicado

em

Procurando recuar um pouco mais no tempo do que o habitual nas minhas crónicas, o presente texto irá se debruçar sobre uma freguesia do concelho da Trofa com um enorme carisma, a freguesia de S. Cristóvão do Muro.
Uma freguesia que em 1724 contava com menos de 300 habitantes, seria um simples ponto na ligação entre o Porto e Braga, com os seus lugares definidos com poucas diferenças da atualidade: Igreja, Matos, Gueidãos, Vilares, Quintão, Real e por último da Carriça.

A freguesia do Muro sendo uma das freguesias mais pequenas do concelho da Trofa, apenas S. Romão do Coronado tem uma dimensão inferior, leva a que a existência de monumentos ou pontos de referência seja diminuta.
Um dos pontos de referência numa comunidade para reforço da sua identidade é o seu património religioso, existindo naquela fase da história a capela de S. Pantaleão e a existência de uma outra no lugar da Carriça em homenagem a Santo António pertença de Felícia Maria.


A capela em Honra de S. Pantaleão tinha um aspeto bastante diferente da atualidade, com linhas bastante simples e certamente de dimensões mais reduzidas, contudo, não era impedimento para que as celebrações de 10 de agosto em honra de S. Pantaleão fossem fortemente concorridas. A sua localização sempre foi na sua atual localização, mantendo-se afastado do seu principal polo populacional.

Sobre a capela em Honra a Santo António o seu papel seria secundário em muito devido a ser privada e ter a prática de culto de forma mais restrita.

Não deve ser descurada a existência da sua igreja que era de evocação a S. Cristóvão e tinha no seu interior, culto a Nossa Senhora do Rosário, S. Frutuoso e por último Nossa Senhora da Agonia. Obviamente que este templo foi sofrendo obras profundas que lhe deram o atual aspeto.

Procurando fazer uma resenha à atividade económica nos seus limites geográficos, a indústria era uma miragem como na grande parte do território nacional, não havendo nenhuma feira a realizar-se no seu espaço geográfico atestando a diminuta atividade económica.

Publicidade

Ocupando um papel periférico na região, com pouco rendimento e também uma reduzida comunidade foi a realidade do Muro durante vários anos e séculos, acabaria por ver a sua população a aumentar de forma gradual e evidentemente no século XX com a chegada do comboio iria se afirmar de forma definitiva como um dormitório da cidade do Porto, mas, sem nunca perder a sua identidade.

Facebook: José Pedro Reis – Historiador

Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 686

O mundo dos brinquedos no Carnaval da Trofa

Publicado

em

Por

“Brinquedos” é o tema deste ano do corso carnavalesco da Trofa. Ao contrário do que tem sido habitual, o desfile não se realizará no domingo, mas sim no próprio dia de Carnaval, a 5 de março, evitando assim que a iniciativa coincida com a Feira Anual da Trofa.

Este corso, caracterizado pela participação das escolas de todo o concelho, promete animar a zona da estação de comboios, a partir das 14.30 horas. Por estes dias, já se preparam os disfarces, os carros alegóricos e os ensaios da coreografia que será apresentada ao júri.

A população em geral também é convidada a participar, vestindo-se a rigor para entrar na festa e na brincadeira e habilitando-se a receber prémios pelo melhor disfarce.

Uma das novidades deste ano é a participação da recente Escola de Samba da Trofa.

Reveja os momentos do desfile de 2018



Continuar a ler...

Edição 686

Grupo de Teatro de S. Mamede estreia nova peça

Publicado

em

Por

“Pérolas Ignoradas” é a tragicomédia que vai estar em cena a 23 de fevereiro, no salão paroquial de S. Mamede do Coronado. A peça de teatro, promovida pelo Grupo de Teatro Jovens Unidos e encenada por Fernando Duarte, segue-se a “Uma Série de Trapalhadas”, que lotou o renovado auditório, em fevereiro de 2018.


A encenação é, como a anterior, do universo da dramaturgia de Joaquim Sousa Ferreira e Silva, antigo pároco de S. Mamede do Coronado.

A entrada tem o custo de quatro euros e as cortinas abrem-se às 21.30 horas.

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);