quant
Fique ligado

Edição 722

Memórias e Histórias da Trofa: Requalificação do Santuário de Santa Eufémia

Publicado

em

Decorria o ano de 1900 e os meses iam correndo a sabor do tempo, aproximava-se setembro que era um importante mês para a cultura popular, atendendo que se iria realizar mais uma edição das festividades em honra a Santa Eufémia.

A romaria de Santa Eufémia era aguardada com grande ansiedade pelos populares, não só da Trofa, como também, de outras localidades aqui da zona que desforravam o seu ano, na última grande romaria.

No ano de 1900, havia uma mudança profunda nestas festividades, porque segundo o cronista do Jornal de Santo Tirso, não era a velha capela que o próprio descreve como arruinada que aguardava pelos romeiros, mas sim, um novo e modesto tempo, com a novidade também da imagem da mártir ser completamente novo e em tamanho natural.

Uma obra profunda que é apontado como principal impulsionador das mesas, o padre que prestava serviço na Paróquia, concretamente o Padre Manuel da Sila Moreira que era considerado um dos párocos mais dignos do concelho.

A melhoria das instalações, não era só na capela, conforme foi referido no parágrafo anterior, mas, as melhorias ocorriam também na área envolvente do templo religioso, gastando 2 contos, um valor fastigioso para aquele período da história, para trazer mais dignidade e qualidade para o desenrolar das atividades festivas.

As festividades duravam três dias, sendo o tradicional fim de semana, com o último dia de festa a ser na segunda feira, com a realização de um mercado em que se esperava, contudo, que as atividades comerciais fossem fracas, escrevendo que havia mais feirantes que romeiros como era tradicional.

Uma importante festividade na história do concelho que conhecia uma nova alavanca para o seu desenvolvimento, uma nova capela, uma nova imagem e arranjos da área envolvente ao santuário para dar mais dignidade as festividades que eram um marco da região.

Publicidade
Continuar a ler...
Publicidade
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 722

Desistir da Vida

Publicado

em

Por

“Saber envelhecer!”. Esta frase, que esconde um conceito ou um estilo de vida, que supõe, penso eu, saber passar pelo tempo sem desistirmos de nós próprios, aplica-se como uma luva na minha pessoa.

Quando fiz trinta anos, da minha mãe ouvi, de forma desprendida e objectiva, “Parece que ainda estás nos vintes, meu filho”, quando cheguei aos quarenta, disse-me que parecia que ainda estava nos trintas.

Na semana passada, eu, com quarenta e seis anos, encontrei um amigo da minha geração, que já não via há muito tempo. Quando ele chamou por mim, não o reconheci de imediato, parecia-me um estranho com cinquenta e seis. Para me lembrar quem ele era, de forma discreta, fiz-lhe uma pergunta-chave, “Então tudo bem? Quem são os teus pais?”. E respondeu-me, “São o Tone e a Nela.”

Identificado o João, trocámos uma palavras e como tudo o que se pensa não se deve dizer, para o animar, sem que ele me tivesse pedido, digo-lhe, “Se não estivesses careca, gordo e cara envelhecida, parecias ter a minha idade!”. De forma fraterna nos despedimos, ele virou-me as costas e eu respondi-lhe, “Até breve!”.

Mas este “saber envelhecer”, não tem a ver apenas com um belo aspecto físico, há que aparentar maturidade. Po exemplo, continuo a abrir a porta às senhoras, a dar-lhes prioridade,…, e nunca ninguém me viu a estender roupa (aparentemente).

Esta actividade exerço-a durante a madrugada, entre as três e as cinco horas, inicialmente de segunda a domingo, começando a fazê-lo desde há sete meses atrás apenas de segunda a quinta, porque num sábado de madrugada ia sendo apanhado a estender toalhas pelo meu vizinho, ainda jovem e que sai ao fim de semana!

E como tenho a ideia que exercer qualquer actividade que termine em “er”, dá muito estilo, tornei-me, primeiro, “Blogger”, depois “Youtuber” e desde há dois anos sou “Crossfiter”, demonstrando nesta última actividade algum amadorismo, visto que ainda não sou depilado nem tatuado!
Em suma, a vida corria-me bem, sem eu compreender como há gente com depressões e que reagem ao bom e ao mau, sem expressão… até ontem.
Sábado, 18 de Agosto de 2020, Box “Crossfit Vale de Ave”, 12h55m. No intervalo de um exercício vejo um amigo (com cinquenta e seis anos, mesmo) na recepção e aproximo-me dele, momentos a seguir aproxima-se uma jovem, que estava a fazer a aula comigo, e virada para o meu amigo e apontando para mim, diz:

Publicidade

– Olá pai! Eu não te disse que aqui no ginásio andava um senhor da tua idade.

Deste amigo, que já não via há meses, a última vez que outros amigos me falaram dele foi para dizerem o quanto ele estava acabado!

A aula para mim acabou, tomei banho, vesti-me, almocei sem sentir o sabor da comida, nem prazer na bebida, fui estender duas máquinas de roupa em plena luz do dia, desobedeci duas vezes à minha esposa, sem querer saber das consequências, e este texto foi “postado” como saiu, sem fazer nenhuma revisão,…

Continuar a ler...

Edição 722

O Rio Ave de outros tempos… e a Azenha da Esprela quincentenária

Publicado

em

Por

“Na província de Entre-Douro e Minho, bispado do Porto, num sítio chamado Pé de Cão, nas vertentes da Serra da Cabreira, nasce o rio Ave, assim denominado, talvez pela grande ligeireza de seu curso, ou pelas muitas aves que se criam nas suas ribeiras. Na sua origem não é muito caudaloso, mas notavelmente inquieto e ruidoso, por correr entre penedia crispada da citada serra, que fica a cinco léguas distante de Guimarães…”.

“…Ptolomeu chama a este rio Avus e dá-lhe a primazia sobre muitos outros da Lusitânia, assim pela abundância e qualidade das águas, como pela amenidade das suas margens…” (In Minho Pitoresco).

Segundo se aprendia nos “bancos da escola primária”, o rio Ave nasce na Serra da Cabreira (no Alto Minho), passa próximo de Guimarães e Santo Tirso e desagua em Vila do Conde. Tem dois afluentes: o rio Este e o rio Vizela. E ficava-se por aí… Mais tarde, acrescentou-se que banhava sucessivamente os concelhos de Vieira do Minho, Póvoa de Lanhoso, Vila Nova de Famalicão e Santo Tirso (e neste incluía-se as freguesias de S. Martinho de Bougado e Santiago de Bougado).

Mas já nos tempos idos dos séculos XVIII e XIX, alguns cronistas se debruçavam sobre o que representava este rio que é já conhecido nos primeiros tempos da nacionalidade, ou talvez muito anteriormente à existência do próprio condado portucalense.

Em meados do século XVIII, o Abade Inácio Pimentel, pároco da freguesia de S. Martinho de Bougado, nas inquirições de 1758, deu as seguintes informações, sobre o rio Ave:

“O que corre por esta freguesia é o Ave, que tem a sua origem acima de Guimarães, no arcebispado de Braga, e acaba em Vila do Conde, onde se mete no mar; e, correndo pela ribeira de Vizela, passa por Santo Tirso, donde entra nesta freguesia na direitura do lugar de Ervosa, para a parte nascente; e suposto este rio venha fazendo a divisão do Arcebispado de Braga, deste bispado do Porto; contudo neste lugar de Ervosa, e, para baixo, até ao lugar da Esprela, entra a demarcação do arcebispado pela terra dentro quase um tiro de mosquete, e fica sendo o lugar da Ponte da Lagoncinha da jurisdição de Braga….

A criação de peixes é muito grande de bogas, trutas, escalos, entrando-lhe também do mar sáveis e lampreias, que muitas vezes no seu tempo se pescam ainda neste sítio com distar duas léguas do mar.

Publicidade

São contínuas as pescarias; mas no Verão se fazem com melhor facilidade varrendo açudes com redes de que se tira muito peixe do sobredito; e se tiraria muito se a indústria humana não tivera inventado novos enredos de pescar…”

E continuou o mesmo clérigo: “… O seu natural correr é plácido, por entre campos ou arvoredos, de uma e outra parte; não é navegável, por ser todo cortado em caneiros ou açudes para moerem as azenhas de que abunda; que só no distrito desta freguesia e sua margem, se acham três rodas, que dão muito aviamento… Nas margens do rio se acham muitos campos, e sempre na parte mais agreste se acham bordados de arvoredo…”.

A Azenha da Esprela laborou quase 500 anos

A Azenha da Esprela, primitivamente chamada Azenha da Esparrela, ficou apelidada, posteriormente, de Azenha do Jeroniminho (por ter sido o último proprietário).

“… E um dia, como por encanto, aparecia sobre as aloiradas areias da praia da Azenha da Esprela, em tarde de domingo, uma figura masculina que haveria de levar uma Esprelense ao casamento”. (Alcino Rodrigues em “Misérias e grandezas da terra de Bougado”).

Situada na margem esquerda do rio Ave, a Azenha da Esprela terá sido construída em 1473 e terá iniciado a sua atividade de moagem de cereais nessa data, conforme uma referência do cartório do cabido da Sé do Porto, (proprietário da mesma) sobre S. Martinho de Bougado:

“De tempo imemorial é senhora directa a Mesa Capitular de um casal que antigamente se chamava de Vale e hoje de Paradela, de que renovou o prazo em 1473 e tem prosseguido as renovações (…) e da Azenha chamada da Esparrela na aldeia de Real, prazo renovado em 1492”.

A Azenha integrava uma zona ribeirinha de carácter rural. O local é pontuado por um grupo de construções primitivas de pequena dimensão relacionada com a azenha: a casa do moleiro, armazém de cereal e a casa do poço. A encosta sudoeste é modelada em socalcos apoiados em muros de pedra. Nesta mesma encosta existe um percurso primitivo pedonal que ligava a cota alta com a cota baixa, estabelecendo o acesso à Azenha da Esprela.

Publicidade

Nomes dos primeiros proprietários a seguir ao cabido da Sé do Porto: “em 1492, Gonçallo Annez em 1.ª vida e seu sobrinho Gonçallo Afonço em 2.ª e aquele que mais vivesse nomearia em 3.ª hua pesoa qº. aparecesse com renda de 90 rs….. 1775, Francisco Dias e mulher Ana da Costa Couto; 11/09/1782 Gabriel Dias, filho de Francisco Dias e Ana Couto) e sua mulher Maria da Costa; 22/10/1827, Maria da Costa e seu marido José António da Costa; Os últimos proprietários foram: Jerónimo Rodrigues Moreira da Costa ao qual sucedeu o seu filho Manuel Rodrigues da Costa, (conhecido por Jeroniminho) e o neto Carlos Reis da Costa”.

Moleiros: A 7 de novembro de 1698 ficou registada a partilha de moer, em 10 dias: 6 eram para Manuel da Costa e mulher Ângela Oliveira e os restantes para Domingos João.

Atividade exercida durante o tempo de laboração: a azenha moeu todo o tipo de cereal e na parte final, durante vários anos tratava a fibra do caule do linho, macerando-o, para empresas têxteis da região. Nesta zona, existiu uma praia fluvial; era também um local privilegiado de convívio “e namoro”, além de lavagem de roupa. Fazia-se, igualmente, a travessia do rio por barca, deste local (Esprela) para Lousado.

Azenha da Esprela: “Os segredos que soubeste guardar. Foste testemunha de inúmeros romances clandestinos que na tua borda se iam desenrolando (…) As penas das tuas rodas reparavam nos corpos nus de gente moça que em noites acaloradas e alumiadas de resplandecente luar, se refrescavam (…)”- (Alcino Rodrigues em “Misérias e grandezas da terra de Bougado”).

A Azenha da Esprela deixou de laborar em 1972, ano em que os rodízios se “calaram para sempre”… A grande cheia desse ano ditou o fim da velha Azenha da Esprela. A partir dessa data, e, a cada ano que passa, o resto que ficou da velhinha azenha tem-se desmoronado, encontrando-se, neste momento, completamente destruída e coberta de vegetação. ATÉ QUANDO…?

A. Costa

Publicidade
Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);