A Trofa recebia a sua ambulância após anos e anos de luta e era inaugurada para o serviço de emergência, faltando constituir a corporação de bombeiros para poder acudir a todo o tipo de emergências e não somente ao socorro de acidentados e doentes.1

O primeiro motorista dos Bombeiros Voluntários da Trofa foi João Silva, ocupando esse lugar por intermédio do Presidente da Comissão Instaladora dos Bombeiros.

O primeiro serviço que a ambulância realizou foi na sequência de uma chamada para uma doença súbita pelas 9h em que a vítima do sexo feminino foi transportada para o Hospital de S. João e acabaria por receber cuidados médicos essenciais para a sua sobrevivência.

Nesse período da história, do principiar da corporação, existiu um pedido de apoio ao Comandante da Região Militar para ampliar a frota automóvel que, talvez por razões de desconfiança na continuidade da associação, afirmou, na resposta àquele pedido, que naquele momento da história bastaria apenas uma ambulância e que passados uns meses ia verificar se era necessário mais meios de socorro.

Fundamental neste espaço temporal a importante ajuda do Governador Civil, Cal Brandão, que por seu intermédio foi conseguida aprovação em 20-10-1975 da associação e emissão do alvará em 30-9-1976, ficando a ambulância ao serviço da comunidade.

Estavam concluídos com sucesso os vários formalismos necessários à legalização da associação que, segundo o repórter do jornal A Voz da Trofa, aguardava apenas por algo básico para iniciar na plenitude das suas funções a colocação de um telefone.

Relativamente ao telefone, teve de se socorrer a uma solução de improviso e, em junho, os bombeiros tinham ao seu dispor três linhas telefónicas e eram amplamente anunciadas na imprensa.2

É importante perceber que até a própria instalação do telefone é digna de ser contada com o primeiro telefone a ser o da habitação do primeiro bombeiro voluntário (João Silva) enquanto de dia era o da casa do Presidente da Comissão Instaladora.

Apenas ao final de três semanas foi instalado o telefone naquelas instalações e ficava resolvido mais um problema no surgimento da corporação.

As instalações do primeiro quartel dos bombeiros seriam inauguradas a 7 de março de 1977.

As condições eram bastante precárias, no serviço de piquete noturno havia apenas um simples colchão. As instalações eram bastante rudimentares, havia uma garagem, uma sala de reduzidas dimensões e, de seguida, um pequeno quarto que não passava de um simples cubículo para o socorrista ficar a dormir. Contudo, havendo a necessidade de a ambulância ser tripulada por dois elementos, acabariam por aumentar um pouco mais aquele espaço para ficar aquele elemento.

Importante ressalvar que quando ocorria uma chamada, na saída do veículo de socorro, as instalações ficavam vazias atendendo a que havia apenas uma viatura e dois operacionais.

Velhos tempos de sacrifício e muito bairrismo em prol da Trofa e das suas gentes…

1 “Ambulância já está ao serviço do povo”
Jornal da Trofa, Maio 31, 1977
2 “Associação Humanitária Trofense”
Jornal da Trofa, Junho 21, 1977