Conforme relatado na crónica anterior, havia a necessidade de ser realizada uma aposta forte na oferta educativa na União das Freguesias de Bougado para colmatar as suas enormes carências.
O tema foi amplamente discutido na imprensa nas edições dos meses seguintes, havia uma vontade férrea de dotar a freguesia de um melhor parque escolar para um melhor desempenho escolar dos alunos.
A falta de condições do parque escolar, voltou a ser novamente destacado no final de 1931 na imprensa, na escola dedicada ao sexo masculino havia cento e tal alunos, um número bastante elevado, com as instalações escolares a não conseguir albergar tantos alunos, ficando sem capacidade de resposta.1 Obrigando certamente a que muitos jovens procurassem outras instituições de ensino, ou simplesmente não estudassem. Na década de 40, concretamente no ano letivo de 1943/44, funcionava o ensino primário em três lugares na freguesia de S. Martinho de Bougado. O número de alunos vinha de ano a ano sempre a subir acompanhando o ritmo da população.2 Uma enorme pressão demográfica provocada pela grande industrialização que dinamizava a localidade.
As infraestruturas escolares foram acompanhando com algum desfasamento a evolução da população, sempre com uma resposta tardia, sendo traçado na década de 1990 a quantidade de oferta do parque escolar: dois estabelecimentos de escolas pré-primária, aproximadamente uma dezena de escolas primárias, a existência de um estabelecimento de ensino privado3, ciclo preparatório e por fim o liceu, o último nível de ensino obrigatório em Portugal.4
A educação é um dos pilares fundamentais para acompanhar a evolução e o desenvolvimento económico, lamentando que o poder central nunca, ou raramente tenha olhado para a Trofa como um dos locais até a um passado recente merecedor de um investimento forte em infraestruturas educativas para solidificar o seu crescimento económico e mais importante o crescimento humano.
“Falta de escolas” O Trofense, novembro 29, 1931
SILVA, José Pereira; O ensino primário na Trofa: sua história, desde a criação das primeiras escolas até à aposentação do seu autor, Braga: Correio do Minho, 1993, pag.79
Segundo Napoleão de Sousa Marques, o ensino particular na Trofa remonta à primeira metade do século XX, nos anos de 1920 a 1940 com professores a realizarem ensino privado. Na freguesia de S. Martinho de Bougado, funcionou próximo à Igreja Paroquial de S. Martinho enquanto em Santiago de Bougado na avenida de acesso à Igreja da Lagoa, no rés do chão de uma habitação funcionou a escola privada. – MARQUES, Napoleão de Sousa; Seleta História da cidade da Trofa – Duas comunidades… um só povo, Trofa: Edição Paulo Serra, 1997 pag.279
MARQUES, Napoleão de Sousa; Seleta História da cidade da Trofa – Duas comunidades… um só povo, Trofa: Edição Paulo Serra, 1997 pag.283.